A saga de uma linda fotografia

A saga de uma linda fotografia

Eu publiquei esta foto trazida por Vladimir Sinyavsky no Facebook. É uma foto de artistas plásticos bielorrussos tirada em Mogilev (Moguilhóv) em 1982. Nela, além do padrasto da Elena Romanov (agachado), que é pintor, estão a Elena — que é hoje minha mulher — aos 13 anos, e sua mãe, com o braço no ombro da filha. A foto é belíssima, e a repercussão foi incrível.

Foram centenas de curtidas e comentários. Muita gente achou a foto muito parecida com as dos grupos de rock da época:

Então, o amigo Igor Freiberger criou o que segue:


Sim, criou a capa dos Minsk Devils. Atentem para os nomes das faixas e para aquelas que foram censuradas — todas as que não eram instrumentais. Ah, o nome dos músicos são impagáveis.

E ontem, nós recebemos de outro amigo, o historiador Artur Barcelos, uma reportagem da Rolling Stone sobre o disco. Abaixo, a capa da revista feita por Leandro Boeira, com texto de “Iuri Bacelov” (Artur Barcelos, claro).

O mar é a floresta
A história da maior banda da metade do mundo

Edição especial da Rolling Stone.

Entre 1969 e 1975 uma Big Band eletrizou os países do Leste europeu. Por trás da Cortina de Ferro o rock folk dos Minsk Devils desafiava o ambiente cultural e político. Diziam que a Belarus (Беларусь) estava cercada pela Ucrânia, a Rússia, a Polônia, a Lituânia e a Letônia. Por isso uma de suas músicas mais famosas era “Quero ver o mar” (Я хачу ўбачыць мора), assim como Mopa foi o nome de seu primeiro disco.

Surpreendendo seu público, o segundo disco se chamou Floresta (Лес). Nele, a inspiração vinha das florestas de Belarus e suas lendas.

Apesar de se chamarem Minsk Devils, na verdade eram de Mogilev. Sua primeira Belarus Tour foi após o disco Mopa e se apresentaram em Brest, Grodno (Hrodna), Gomel (Homiel), Mogilev (Mahilyow) e Vitebsk (Viciebsk).

Com o sucesso o grupo decidiu viver em uma comunidade alternativa rural em Mogilev, onde foi feita a foto da capa dessa edição especial.

Cultivavam legumes e se especializaram em produzir o kvas, uma bebida de baixo teor alcoólico feita de pão preto maltado ou farinha de centeio. O kvass também pode ser combinado com vegetais fatiados, para formar uma sopa fria chamada okroshka. A panela nas mãos de Igor Piotr é uma homenagem a okroshka.
Depois do segundo disco eles fizeram a world Tour, que não foi além da estação de Tishovka em Mogilev. Uma discussão por causa do Denpr Mogilev, time local, levou ao fim da banda.

Nunca mais voltaram a se reunir. Com a volta da autonomia da Belarus em 1990 e o eterno e deplorável governo de Aleksandr Lukashenko não havia mais clima para um retorno.

Seus discos viraram raridades disputados em milhares de rublos em todo o leste e na Rússia. Os Minsk Devils viraram um ícone da liberdade na Belarus e até hoje se espera sua volta.

Iuri Barcelov – corresponde da Rolling Stone.

E esta foto? Seria o making of do grupo?

Compositores sendo pais

Compositores sendo pais

Shostakovich sendo pai.

Bartók sendo pai.

Bernstein sendo pai e avô.

Mahler sendo pai.

Prokofiev sendo pai.

Messiaen sendo pai.

Stravinsky sendo pai.

Sibelius sendo pai.

Stockhausen sendo pai e recordista.

Schoenberg sendo pai.

Dvořák sendo pai.

Debussy sendo pai.

Rachmaninov sendo pai.

Penderecki sendo pai.

Em torno de uma fotografia clássica

Em torno de uma fotografia clássica

A famosa foto da fotógrafa norte-americana Ruth Orkin (1921-1985) já foi vista em diversas circunstâncias, quase sempre com a mesma óbvia interpretação. Uma grande amiga minha diz sentir medo cada vez que olha a foto. Tirada em agosto de 1951, na cidade de Florença, mostra uma mulher alta, bela e bem vestida passando por um grupo de homens que a olham com ar de desejo. Assédio. Um, bem próximo da moça, leva a mão à própria genitália enquanto assobia. Em resposta, ela caminha com medo — ou pelo menos com receio –, puxando o xale, evitando olhar para eles.

O que pouca gente sabe é que esta foto, hoje clássica, serviu para ilustrar a revista Cosmopolitan dentro de uma matéria chamada Don’t Be Afraid to Travel Alone.

Jinx 1

Se era para perder o medo… Bem, as feministas utilizam bastante esta imagem para demonstrar o agressivo assédio das rua. A foto foi cuidadosamente encenada ou ao menos repetida sob diversos ângulos, como comprova o rolo do filme. Isto não lhe tira o mérito.

Jinx 6

O curioso é que a modelo Ninalee “Jinx” Allen nega a encenação. Diz que os homens estavam por ali. Eram uns desocupados no alto desemprego do pós-guerra. A fotógrafa Orkin conheceu Jinx, uma pintora também norte-americana, na época com 23 anos, dias antes de retratá-la. Ambas estavam viajando sozinhas pela Europa — algo raro nos anos 50 –, encontraram-se Florença e Orkin convidou Jinx para servir de modelo nas fotos que pretendia vender para a revista..

Jinx 4

Após a publicação na Cosmopolitan, a imagem clássica passou a ser parcialmente censurada, cortando-se a metade esquerda da foto ou apagando-se a mão do homem do guarda-chuva. A partir de meados dos anos 1960 a fotografia completa voltou a ser mostrada.

Jinx 2

Jinx ainda está viva e diz que a imagem pode ser interpretada e apreciada como cada um quiser. Porém, como muitas vezes acontece com as obras de arte, parece haver enorme distância entre a sensação de quem participou e a interpretação de quem vê. Ela não vê assédio na foto. Jinx achou tudo muito divertido. Gostou tanto que passeou depois com um dos sujeitos, conforme comprova outra foto de Orkin.

Jinx 3

A interpretação que faço da belíssima foto é a mesma das feministas. Jinx pode não ter se sentido intimidada, mas a imagem não o demonstra. Há uma matilha prestes a interromper a caminhada dela.

Hoje, Jinx é a bela senhora de 89 anos que, em 2011, tirou a foto abaixo, aos 83, 60 anos depois da foto, com o mesmo xale e colar.

Jinx 5Outras fotos de Jinx tiradas por Orkin para a Cosmopolitan:

Orkin.JinxatAMEX_05

e5a8c9b2ff790d404aaef952fc4c66e6

1de896616a7c1fe97e93b1a4516d76b5

tumblr_lr446czEFR1qzy8r9

tumblr_lr457oEA5l1qzy8r9

tumblr_lr44blm0Nu1qzy8r9

tumblr_lr44ap4YdJ1qzy8r9

tumblr_lr44rogppd1qzy8r9

Para regozijo de meus sete leitores, estarei no StudioClio a cada duas semanas falando sobre música

Para regozijo de meus sete leitores, estarei no StudioClio a cada duas semanas falando sobre música

Há um bando de loucos que gosta de me ouvir falar ou escrever sobre música. Bem, tem gosto para tudo. Isto foi lentamente se acentuando após o nascimento do PQP Bach, lá no longínquo ano de 2006. Pois agora, a cada duas semanas, estarei no StudioClio na série de palestras Almoço Clio Musical. Abordarei sobre obras fundamentais da música erudita, algo como “o imprescindível em música”, devidamente contextualizadas e com o apoio de vídeos que apresentarão trechos ou obras completas.

Durante cada palestra, haverá a apresentação didática de fundamentos, explicações sobre a terminologia, comentários sobre a estrutura da obra, instrumentação, gênero e estilo. A função começa dia 23 de maio, às 12h20, com os Concertos de Brandenburgo, de J. S. Bach. Acho que vou apresentar 4 dos 6 concertos, com comentários sobre o autor e os concertos, na verdade chamados originalmente de Concertos para Diversos Instrumentos.

O tom será o habitual, bem-humorado e procurando utilizar as curiosidades que cercam cada obra. Afinal minha ideologia é a de que a arte é filha da criatividade, da habilidade, do conhecimento, da inteligência e do artifício. E todos estes itens guardam parentesco maior com a alegria do que com a sisudez.

Na semana passada, fui tirar as fotos para ilustrar as chamadas. A primeira é a mais séria.

01

Depois o Francisco Marshall, no papel de fotógrafo, começou a dizer bobagens. Mas eu me mantive com a cara mentirosamente professoral.

02

Então, ele me deixou num canto da foto, se fosse necessário escrever alguma coisa à esquerda da imagem.

03

Mas a coisa descambou quando ele me pediu para imitar a cara séria de Bach. Não tive tempo para preparar nada melhor.

04 Bach

Mais competente foi o meu Beethoven, cujo mau humor é fácil de imitar.

05 Beethoven

Tentei fazer uma cara de Mozart que fosse leve e ousada como sua música, mas só fiz cara de Pollyanna.

06 Mozart

Meu apaixonado e encantado Chopin saiu com jeitinho de débil mental.

07 Chopin

Não soube o que fazer com Tchaikovski.

08 Tchaikovski

Já para fazer o gordão Brahms foi só encher as bochechas de ar.

09 Brahms

Haydn foi o mais feliz dos homens.

10 Haydn

A sífilis de Schubert manifestou-se erradamente através de uma tosse. Deveria ter me coçado.

11 Schubert

E então ele deu por finalizada a sessão.

13

Já tenho o meu book.