O melhor filme sobre a Segunda Guerra Mundial

O melhor filme sobre a Segunda Guerra Mundial

Retirado daqui.

Com a invasão nazista da URSS em 22 de junho de 1941, há 80 anos, a Segunda Guerra Mundial atingiu uma dimensão de selvageria até então desconhecida. O objetivo da ofensiva não era apenas a conquista, mas a aniquilação dos povos conquistados. “Os problemas começam com as crianças. Nem todos os povos têm o direito de existir. Nem todas as nações merecem um futuro “, diz um dos nazistas que participam do massacre da população civil que Elem Klimov retrata em Vá e Veja (1985), um clássico do cinema de guerra.

Este filme foi lançado por ocasião do 40º aniversário da vitória sobre o Terceiro Reich, quando a perestroika estava prestes a começar na URSS com a ascensão ao poder de Mikhail Gorbachev. O título que aparece em todas as listas dos melhores filmes de guerra. O escritor de ficção científica J.G. Ballard escreveu que foi “o melhor filme de guerra de todos os tempos”.

Situado em 1943 na Bielorrússia, Vá e Veja conta a história de um menino que se junta às fileiras da resistência em uma jornada infernal durante a qual descobrirá a tática do Exército Alemão para acabar com a guerrilha: o assassinato em massa de civis. A passagem das hordas nazistas é retratada quase como uma epidemia de peste, o custo humano da invasão alemã foi tão devastador quanto a doença medieval, a suástica foi um sinal de morte constante, implacável e cruel. Em muitas cidades, eles trancaram todos em um prédio — uma igreja ou um celeiro — e depois o incendiaram.

O filme inspira-se na memória do escritor bielorrusso Alés Adamóvich (1927-1994), autor do roteiro e do livro em que se baseia, The Story of Khatyn em sua tradução para o inglês (não confundir com Katyn, a local onde a polícia stalinista assassinou milhares de oficiais poloneses após a invasão de 1939). Adamóvich, que por sua honestidade e habilidade narrativa pertence à mesma linhagem da ganhadora do Nobel, a bielorrussa Svetlana Alexievich, serviu quando adolescente em um batalhão de guerrilheiros em 1942 e 1943. Seu livro, disponível em inglês, começa com as seguintes informações: “De acordo com documentos da Segunda Guerra Mundial, mais de 9.200 cidades foram destruídas na Bielorrússia e em mais de 600 delas, todos os seus habitantes foram mortos ou queimados vivos. Apenas alguns sobreviveram.”

Em uma entrevista com Pilar Bonet em 1985, após o lançamento do filme, Klimov explicou que queria fazer um filme “claramente antifascista” no qual suas próprias memórias da guerra também surgissem: “Eu sou um filho da guerra. Nasci em Stalingrado. A guerra começou quando entrei no primeiro ano da escola, vi a cidade queimada e destruída, cadáveres e prisioneiros. As memórias da infância são as mais fortes”.

Com uma estética brutalmente realista, Klimov e Adamóvich conseguem refletir algo quase impossível de contar em um filme: o horror da Segunda Guerra Mundial na URSS. Após a invasão da Polônia em 1939, os nazistas mataram intelectuais e perseguiram judeus. Com a Operação Barbarossa, o conflito ganhou uma nova dimensão e foi também o momento em que começou o Holocausto, primeiro com o assassinato em massa de judeus perpetrados pelos esquadrões da morte móveis, os Einsatzgruppen, e depois com as câmaras de gás. Entre 29 e 30 de setembro, eles foram mortos na ravina Babi Yar. Todos os judeus de Kiev, cerca de 200.000 pessoas, no maior massacre da Segunda Guerra.

O que mudou naquele verão de 1941 e está horrivelmente refletido no filme de Klimov, foi que o alvo dos massacres não eram apenas adultos, mas mulheres e crianças. O extermínio tinha que ser total. O historiador francês especialista em nazismo Christian Ingrao lembra em seu último livro, Le Soleil noir du paroxysme: “O objetivo desta luta deve ser a aniquilação da Rússia de hoje. Cada situação de combate deve ser enfrentada com uma decisão atrelada à aniquilação total e implacável do inimigo. Em particular, dos partidários do atual sistema russo-bolchevique.”

Nas primeiras quatro semanas da guerra na Polônia, os nazistas assassinaram 12.000 pessoas. Na URSS, 50.000 no mesmo período. E, em meados de agosto de 1941, começaram as execuções em massa de mulheres e crianças. Em dezembro de 1941, o Exército Alemão e os Einsatzgruppen haviam assassinado meio milhão de civis, a maioria judeus. Ingrao conta como os oficiais conseguiram convencer os soldados do “atroz dever”, nas palavras de Himmler, que deviam cumprir. Um oficial de 35 anos teve que anunciar a centenas de homens reunidos que agora teriam que matar mulheres e crianças. Então, ele trouxe uma mulher e seu filho recém-nascido e, na frente da tropa reunida, sacou sua pistola e atirou neles ”. Esse é o universo moral que retrata Vá e Veja.

 

O Estado das Coisas Coloradas

O Estado das Coisas Coloradas

Inter terá que jogar a vida no Paraguai, contra o Olímpia, na próxima quinta.

E que não reclamem de desgaste físico. Afinal, isto foi gerado pelo próprio time com seus fiascos na Bolívia e na Venezuela.

Ontem, o Olímpia venceu o Always Ready na “terrível altitude”. Fez gol nos acréscimos, pondo no ridículo a histeria colorada com as alturas.

Quem escala Marcos Guilherme e Zé Gabriel, quem brinca de vai não vai, que resolva agora.

Zé Gabriel treinando para entregar o jogo para Ferreirinha domingo | Foto: Ricardo Duarte / Internacional

Quem precisa de um estado totalitário quando pessoas zelosas garantem que livros com ‘opiniões inválidas’ nunca sejam publicados?

Quem precisa de um estado totalitário quando pessoas zelosas garantem que livros com ‘opiniões inválidas’ nunca sejam publicados?

Eu não concordo 100% com o autor, mas muitas vezes me deparei com casos semelhantes na Livraria Bamboletras, da qual sou proprietário. Discordando do texto abaixo, nego-me a vender Olavo de Carvalho e outros fascistas em minha livraria. Também não venderia autores de textos transfóbicos. Mas tenho este problema quando o cliente quer literatura de baixa qualidade. Alguns de nossos funcionários dizem: “Mas isso não é livro para nós vendermos!”. E, bem, é verdade que temos um acervo muito bem cuidado de bons autores que é nossa mais cultivada qualidade — a dedicada curadoria –, mas não podemos nos dar ao luxo de rejeitar vender best-sellers que não agridam nossos valores éticos, mesmo sendo ruins… 

De Frank Furedi (*)

A indústria editorial está encorajando a censura popular e cada vez mais cedendo aos funcionários que exigem que certas opiniões nunca devam ser expressas — especialmente aquelas que envolvem questões trans.

Parece que a área editorial está rapidamente se tornando uma escolha de carreira para ambiciosos aspirantes a censores. A ala mais ambiciosa e agressiva do movimento de censura de base são as publicações de policiamento de lobby que tratam de questões relacionadas a trans. Recentemente, um grupo de indivíduos de toda a indústria editorial associada a este lobby escreveu uma carta ao The Bookseller exigindo a censura de livros que considere desfavoráveis ​​à sua causa.

O ponto principal da carta é afirmar que a trans cultura não pode ser um assunto de debate e que os editores devem evitar que opiniões contrárias a ela sejam publicadas. Afirma:

A transfobia ainda é perfeitamente aceitável na indústria de livros britânica. Nossa indústria desculpa, diz que ver os indivíduos trans como tendo menos do que direitos humanos plenos está OK e uma opinião tão válida quanto as outras. Nossa indústria ainda está muito confortável em dar a essa forma de preconceito uma plataforma poderosa. Precisamos nos afastar do paradigma de que todas as opiniões são igualmente válidas.

A exigência de rejeitar o paradigma de que todas as opiniões são válidas é uma forma indireta de dizer que as opiniões “inválidas” podem ser legitimamente censuradas e os autores que defendem tais opiniões devem ser cancelados e silenciados.

Pedidos de censura por inquisidores autônomos que trabalham no setor editorial também têm estado sido uma tônica nos EUA. Os funcionários da Simon & Schuster recentemente entraram com uma petição insistindo que a editora cortasse seus laços com escritores associados à administração Trump. A petição, assinada por 216 funcionários, ganhou o apoio de mais de 3.500 apoiadores externos, incluindo renomados escritores negros, como Jesmyn Ward, duas vezes vencedor do National Book Award for Fiction.

Quando escritores famosos se juntam à fila de censores entusiastas, torna-se evidente que a cultura literária americana está em apuros.

Um dos alvos dos inquisidores Simon & Schuster é um acordo de dois livros que a empresa assinou com o ex-vice-presidente Mike Pence. Por acreditarem que as opiniões de Pence não são tão válidas quanto as deles, fechar uma das principais vozes do Partido Republicano é um serviço público à sociedade.

Uma das características mais perturbadoras do movimento inquisitorial na indústria editorial é a maneira casual com que procura corromper os ideais de tolerância e liberdade de expressão.

É importante notar que a carta enviada é intitulada ‘O Paradoxo da Tolerância’. Uma vez que rejeita a tolerância por pontos de vista com os quais discorda — afirma, “claramente não é apropriado dizer simplesmente ‘todos têm direito à sua opinião’” – deveria ser intitulado ‘Pela intolerância’!

A hipocrisia dos defensores da censura na publicação foi destacada em junho de 2020, por um grupo denominado Pride in Publishing. Eles escreveram uma circular, ‘Vamos esclarecer o que a liberdade de expressão é e o que não é’. O objetivo desta carta era apoiar os funcionários da Hachette Children’s Books que se opuseram a trabalhar no último livro de JK Rowling. Rowling — a autora da série Harry Potter — havia cometido, na opinião desses funcionários, o pecado imperdoável de se recusar a aceitar a definição de sexo e gênero promovida por ativistas trans.

A carta dizia: “Vamos esclarecer o que é e o que não é liberdade de expressão. A liberdade de expressão não dá ao autor o direito a um contrato de publicação. Mas protege o direito de um trabalhador de soar o alarme quando é convidado a participar de algo que pode causar dano ou trauma a ele ou a outra pessoa. Os autores transfóbicos não são um grupo protegido. Pessoas trans e não binárias são. ”

Na lei britânica, quem usa palavras que expressam hostilidade para com os chamados grupos protegidos com características protegidas — como raça, religião, orientação sexual, status de transgênero e deficiência — pode ser acusado de crime de ódio . A implicação da declaração da Pride in Publishing é que o direito de exercer a liberdade de expressão é qualificado em circunstâncias quando é dirigido a um grupo protegido. Esta carta também destaca o que se tornou uma das características mais distintivas do policiamento linguístico do século 21 — a doença da liberdade de expressão.

Na verdade, a implicação da declaração Orgulho na Publicação é que o livro de Rowling representa uma ameaça à segurança e à saúde mental das pessoas trans e não binárias que trabalham na Hachette. Afirma que “os funcionários nunca devem ter que trabalhar em conteúdo que seja prejudicial à sua saúde mental ou que lhes cause turbulência desnecessária”. Esse sentimento ecoa a visão amplamente aceita que insiste que as comunicações verbais e publicadas são um perigo potencial para o bem-estar das pessoas e, portanto, precisam ser regulamentadas para proteger certos grupos de ofensas, traumas psicológicos e problemas de saúde mental.

Esta medicalização da liberdade de expressão, levando à sua doença, tornou-se um dos argumentos mais eficazes usados ​​para minar a liberdade de expressão.

Os ativistas têm, com efeito, reforçado seu apelo à censura, alegando que a publicação de opiniões equivocadas de parte de autores os ofendem e causa-lhes sofrimento psicológico e trauma.

A indústria editorial reconheceu que sua nova geração de funcionários não espera trabalhar com material que os perturbe. David Shelley, o CEO da Hachette, e Clare Alexander, uma agente literária, disseram recentemente ao Lords Committee que os novos empregados da indústria editorial devem ser avisados ​​de que podem ter que trabalhar em livros de pessoas com as quais não concordam!

O fato de as editoras precisarem alertar os funcionários de que talvez tenham de trabalhar com autores cujas opiniões não gostam destaca a posição precária de liberdade de expressão e tolerância nesse setor.

Era uma vez, os editores estavam preocupados com a ameaça representada pela censura do Estado e temiam provocar a ira de censores autoritários de cima. Hoje, a indústria editorial tornou-se cúmplice em consentir em cancelar a cultura e a pressão para policiar o que o público consegue ler vem de baixo, de uma nova geração de funcionários intolerantes.

Quem precisa de um estado totalitário quando trabalhadores zelosos e frágeis estão determinados a garantir que as ‘opiniões inválidas’ nunca sejam divulgadas?

.oOo.

(*) Professor emérito de sociologia na Universidade de Kent em Canterbury.

Fada, de Dyonelio Machado

Fada, de Dyonelio Machado

Dyonelio Machado (1895-1985) sempre foi um enclave dentro do RS. Um enclave comunista, talentoso e muito culto, cercado por silêncio. Até hoje, fala-se bastante em seu romance Os Ratos, às vezes em O Louco do Cati, mas o restante de sua obra — que não é pequena — é ignorado. Coisas da província, do dito “estado mais politizado do país”, que sempre deixou Dyonelio fora da lista de seus principais autores. Sorte ele ser psiquiatra, porque como escritor conseguiu apenas receber prêmios nacionais, ser eventualmente preso e ver seu nome raramente citado nos jornais gaúchos.

Os Ratos (1935) e O Louco do Cati (1944) foram os únicos romances que atravessaram a cortina de fumaça criada em torno do escritor. Bem, esqueça a objetividade de Os Ratos e a aspereza de O Louco, pois Fada (1982), livro recém republicado pela Zouk, é um muitíssimo diferente. O artificialismo erudito e antiquado da linguagem de Fada nos passa de cara uma sensação de irrealidade. O livro conta uma história de amor jovem que beira o sobrenatural. Não estão sendo narrados feitos de outro mundo, mas a forma com que Dyonelio os descreve nos engana. Apesar do susto inicial, vale a pena seguir a leitura. A trama é simples. Sem spoilers, dá para dizer que é um amor que vai contra a vontade do padrasto da jovem, que prefere um casamento de interesse. A impressão é a de que estamos no terreno do sortilégio e da mitologia — que é muito citada no livro. A própria obsessão de D`Artagnan, pois este é o nome do rapaz, por Jafalda, a Fada, parece mágica.

Li o romance como uma bem-sucedida tentativa experimental. Ou seja, Dyonelio conta fatos corriqueiros de um modo que as torna fantásticas. Não como se fosse um Joyce, não com tantos paralelos ou leque de estilos, mas de forma calma e simples. Há símbolos como o monte que exerce tanta atração sobre o casal — e que é certamente inspirado no Cerro do Jarau, de Quaraí, local de nascimento de Dyonelio. Até o carro de D`Artagnan parece ser dotado de algo especial, tratado como se fosse um Pégaso. Também podemos pensar que as mulheres são fadas que os apaixonados trazem dentro de si ou que o amor obedece à regras próprias e irrepetíveis.

Recomendo o livro, principalmente para que se sinta como Dyonelio cria e mantém o inusitado clima do livro de cabo a rabo. De resto, é literatura descompromissada com os fatos políticos e sociais tão caros ao autor e que o mantiveram no ostracismo. Dyonelio merece ser recuperado, relido e a iniciativa da Zouk é mais do que necessária. É um enorme autor.

Queremos mais Dyonelio!

Bom dia, Miguel Ángel (com os maravilhosos lances do delivery de ontem)

Bom dia, Miguel Ángel (com os maravilhosos lances do delivery de ontem)
O teimoso MAR | Foto: Ricardo Duarte

O Inter pegou disparado a chave mais fácil da Libertadores. Táchira, Always Ready e o atual Olimpia são times realmente muito fracos. Só que não estamos conseguindo nos destacar. Isto acontece em boa parte por culpa de Miguel Ángel Ramírez (MAR) que, não obstante as boas ideais táticas, insiste em escolher jogadores inferiores a seus reservas imediatos. E justo ontem Zé Gabriel abriu caminho para a virada dos venezuelanos no Táchira.

Zé Gabriel é uma escolha incompreensível desde Coudet. Dizem que ele sabe sair jogando, que tem bom passe, que é hábil. O que eu não entendo é porque ele dá tantas roscas, botes errados e erra tantos passes. O que ele fez ontem foi disparate técnico. O que ele fez foi algo para não vestir mais a camiseta do clube. Vejam abaixo como ele lança o jogador do Táchira para empatar um jogo que ganhávamos.

Para completar, seu reserva é Lucas Ribeiro, um zagueiro comprovadamente muito mais seguro do que Zé. Como entender?

Outra coisa incrível é a escalação de Marcos Guilherme, jogador cujo tratamento para depressão parece que tem que ser feito dentro de campo, sob os olhos da torcida. Que sorte que ele tem de estarmos com o estádio vazio! Já imaginaram a vaia que MG levaria cada vez que seu nome fosse anunciado? Bem, ele se mataria! Acho melhor mandar ele logo para um psiquiatra.

E há mais. O Inter perdeu o Brasileiro do ano passado por várias razões, mas o motivo mais claro foi aquele jogo contra o Sport. Muita gente lembra de Uendel falhando, mas esquece do segundo gol do Sport, quando Lomba abdicou de ir na bola porque achou que ela tinha saído pela linha de fundo. Se saiu ou não é coisa que um goleiro deve ignorar até que o juiz apite. Lomba ficou olhando e o Sport fez o segundo gol. Bem, ontem ele achou que a jogada estava resolvida mesmo com Edenílson erguendo os braços, demonstrando que a bola era dele. Lomba saiu trotando e, quando viu, o cara do Táchira já tinha passado e ele cometeu o pênalti. Edenílson também errou, mas o goleiro tem que vir rasgando.

Não, é muita cagada junta, seu MAR. Falta orientação e tesão.

Perdemos muitos gols mesmo jogando mal, estávamos levando a vitória contra um time ruim, mas as tuas escolhas nos mataram. Outra ruindade absurda é Moisés. Mal preparado fisicamente, morreu no segundo tempo, mas não tem reserva. Só se salvaram Cuesta, Galhardo e Taison. O resto…

Se tivesse torcida no estádio, é provável que tu, MAR, estivesse na marca do pênalti.

Abaixo, a virada surreal de ontem, conforme expressão da ESPN:

O terrível calendário do Inter nos próximos 30 dias

O terrível calendário do Inter nos próximos 30 dias

Um mês, quatro competições e nove jogos para o Inter:

11/05 – Táchira x Inter – Libertadores
16/05 – Inter x Grêmio – Ida da final do Gauchão
20/05 – Olimpia x Inter – Libertadores
23/05 – Grêmio x Inter – Volta da final do Gauchão
26/05 – Inter x Always Ready – Libertadores
30/05 – Inter x Sport Recife – Brasileirão
03/06 – Vitória x Inter – Ida da terceira fase da Copa do Brasil
06/06 – Fortaleza x Inter – Brasileirão
10/06 – Inter x Vitória – Volta da terceira fase da Copa do Brasil

Quais são os livros mais discutidos na Internet?

Quais são os livros mais discutidos na Internet?

Por Emily Temple, na Literary Hub
Mais ou menos traduzido por este blogueiro...

Como uma pessoa que discute livros na internet para ganhar a vida, às vezes tenho pensamentos estranhos e aleatórios, como “quais são os livros mais discutidos na internet?” Ou então, “como posso descobrir quais livros são mais discutidos na Internet?” Bem, “por que não procuro no Google?” Depois disso, paro de pensar e começo a pesquisar no Google. No final, na tentativa de responder à minha pergunta, pesquisei 275 livros diferentes para comparar o número total de resultados, de acordo com a ferramenta.

Esse número, a propósito, é uma estimativa — um webmaster do Google o descreveu como “um valor aproximado”, mas pode ser ainda menos preciso do que isso. Até mesmo a estimativa pode variar muito, com base em uma série de fatores diferentes, como onde você está e o que mais você pesquisou (em toda a sua vida). Mas mesmo que os próprios números sejam aproximados, eles ainda podem ter significado relativo, especialmente quando acessados ​​do mesmo computador, usando o mesmo navegador, no mesmo dia: no mínimo, eles devem ser capazes de nos dizer, de uma forma geral forma, quais livros foram referenciados mais ou menos do que outros online.

É importante lembrar que isso não é exatamente o mesmo que a popularidade verdadeira — muitos best-sellers, especialmente os mais antigos, publicados quando a internet não era uma força motriz no marketing de livros, tinham uma classificação relativamente baixa aqui. As recentes adaptações de grande orçamento obviamente ajudam. O mesmo acontece com o drama. Assim como estar maduro para a investigação acadêmica. O fato de o livro de Rupi Kaur estar apenas no meio dessa lista me prova que o Google não faz um bom trabalho de busca no Instagram. Ainda assim, admito que fiquei surpresa com alguns deles – particularmente com a classificação relativamente baixa de alguns dos livros que para mim, no meu canto da internet, parecem ser discutidos até a morte.

Uma nota sobre estratégias de pesquisa: minha técnica básica era pesquisar o nome do autor e o título do livro juntos, ambos entre aspas. Ajustei um pouco se o título ou nome fosse muito comum; quando relevante, muitas vezes omitia o artigo em um título para acomodar referências casuais (muitas vezes eu tentei isso, não importava, mas às vezes sim). Dito isso, quem sabe o que pode estar escondido nesses milhões de resultados? Outra razão para pensar nesses números apenas em termos aproximados.

Uma nota sobre os livros: a única maneira de abordar isso era procurando livros que achei serem de alto nível, um por um. Isso significa que se eu não pensei no livro, ele não entrou na lista. Provavelmente esqueci uma série de best-sellers populares publicados nos últimos cem anos ou mais. Mas olha, eu tinha que parar em algum lugar. Ao contrário do Google, o tempo é finito.

Portanto, seja o que for que valha (ou não), aqui está o que os senhores da máquina me retornaram:

(Títulos em inglês)

George Orwell, Nineteen Eighty-Four – 12,997,000*
J.R.R. Tolkien, The Lord of the Rings – 8,630,000**
William Shakespeare, Hamlet – 8,240,000
Harper Lee, To Kill a Mockingbird – 5,600,000
William Shakespeare, Macbeth -5,540,000
Jane Austen, Pride and Prejudice – 5,530,000
J.R.R. Tolkien, The Hobbit – 4,690,000
William Shakespeare, Romeo and Juliet – 4,680,000
Laura Ingalls Wilder, Little House in the Big Woods – 4,440,000
Michelle Obama, Becoming – 4,410,000
J.K. Rowling, Harry Potter and the Sorcerer’s Stone – 4,310,000***
Herman Melville, Moby-Dick – 4,260,000
Henry David Thoreau, Walden – 4,180,000
E.L. James, Fifty Shades of Grey – 4,130,000
Karl Marx and Friedrich Engels, The Communist Manifesto – 3,800,000
Plato, The Republic – 3,690,000
Charlotte Brontë, Jane Eyre – 3,450,000
Alan Moore, Watchmen – 3,400,000
F. Scott Fitzgerald, The Great Gatsby – 3,300,000
Homer, The Odyssey – 3,050,000
Homer, The Iliad – 2,920,000
Frank Herbert, Dune – 2,670,000
Diana Gabaldon, Outlander – 2,660,000
Stephenie Meyer, Twilight – 2,620,000
Stephen King, The Shining – 2,540,000
Gustave Flaubert, Madame Bovary – 2,490,000
George Orwell, Animal Farm – 2,460,000
Adam Smith, The Wealth of Nations – 2,300,000
Frances Hodgson Burnett, The Secret Garden – 2,280,000
Louisa May Alcott, Little Women – 2,260,000
Suzanne Collins, The Hunger Games – 2,080,000
James Joyce, Ulysses – 1,850,000
Margaret Atwood, The Handmaid’s Tale – 1,800,000
Charles Dickens, David Copperfield – 1,780,000
Lewis Carroll, Alice’s Adventures in Wonderland – 1,630,000
Barack Obama, A Promised Land – 1,610,000
Ray Bradbury, Fahrenheit 451 – 1,600,000
Roald Dahl, Matilda – 1,560,000
John Green, The Fault in Our Stars – 1,480,000
Geoffrey Chaucer, The Canterbury Tales – 1,460,000
Vladimir Nabokov, Lolita – 1,430,000
Veronica Roth, Divergent – 1,410,000
Miguel de Cervantes, Don Quixote – 1,380,000
William Shakespeare, A Midsummer Night’s Dream – 1,340,000
Joseph Heller, Catch-22 – 1,320,000
Jack Kerouac, On the Road – 1,320,000
Neil Gaiman, American Gods – 1,300,000
Delia Owens, Where the Crawdads Sing – 1,290,000
Charles Dickens, Great Expectations – 1,270,000
Niccolo Machiavelli, The Prince – 1,270,000
J.D. Salinger, The Catcher in the Rye – 1,260,000
Aldous Huxley, Brave New World – 1,240,000
Michelle Alexander, The New Jim Crow – 1,230,000
Leo Tolstoy, Anna Karenina – 1,100,000
Toni Morrison, Beloved – 1,090,000
Leo Tolstoy, War and Peace – 1,060,000
Joseph Conrad, Heart of Darkness – 1,040,000
Dan Brown, The Da Vinci Code – 998,000
Sylvia Plath, The Bell Jar – 986,000
Mark Twain, The Adventures of Huckleberry Finn – 984,000
Daphne du Maurier, Rebecca – 984,000
Dante Alighieri, The Divine Comedy – 979,000
Roald Dahl, Charlie and the Chocolate Factory – 972,000
Neil Gaiman, Good Omens – 905,000
John Steinbeck, Of Mice and Men – 888,000
C.S. Lewis, The Lion, the Witch and the Wardrobe – 791,000
Anne Frank, The Diary of a Young Girl – 791,000
Albert Camus, The Stranger – 790,000
Arthur Miller, The Crucible – 790,000
Ernest Hemingway, The Old Man and the Sea – 782,000
Margaret Mitchell, Gone with the Wind – 782,000
Gillian Flynn, Gone Girl – 776,000
Chinua Achebe, Things Fall Apart – 771,000
Virgil, The Aeneid – 760,000
Emily Brontë, Wuthering Heights – 756,000
Upton Sinclair, The Jungle – 753,000
Richard Adams, Watership Down – 753,000
Douglas Adams, The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy – 735,000
Ta-Nehisi Coates, Between the World and Me – 725,000
Cormac McCarthy, The Road – 719,000
Frederick Douglass, Narrative of the Life of Frederick Douglass – 713,000
Agatha Christie, Murder on the Orient Express – 713,000
George Eliot, Middlemarch – 703,000
Sylvia Plath, Ariel – 695,000
Jonathan Swift, Gulliver’s Travels – 690,000
Franz Kafka, The Metamorphosis – 682,000
Ayn Rand, Atlas Shrugged – 681,000
Virginia Woolf, Mrs. Dalloway – 660,000
Edward Said, Orientalism – 650,000
Walt Whitman, Leaves of Grass – 649,000
Stephen Hawking, A Brief History of Time – 640,000
Art Spiegelman, Maus – 638,000
John Steinbeck, The Grapes of Wrath – 637,000
Rupi Kaur, Milk and Honey – 633,000
Harriet Beecher Stowe, Uncle Tom’s Cabin – 633,000
Khaled Hosseini, The Kite Runner – 611,000
Alexandre Dumas, The Count of Monte Cristo – 607,000
John Grisham, A Time to Kill – 603,000
Virginia Woolf, To the Lighthouse – 592,000
Lucy Maud Montgomery, Anne of Green Gables – 585,000
Jorge Luis Borges, Ficciones – 584,000
John Green, Looking for Alaska – 583,000
Haruki Murakami, Norwegian Wood – 580,000
Stephen Hawking, A Brief History of Time – 579,000
Markus Zusak, The Book Thief – 573,000
Edith Wharton, The Age of Innocence – 551,000
Hilary Mantel, Wolf Hall – 541,000
Angie Thomas, The Hate U Give – 541,000
Chuck Palahniuk, Fight Club – 539,000
Malcolm Gladwell, Blink – 538,000
Truman Capote, In Cold Blood – 521,000
Stieg Larsson, The Girl With the Dragon Tattoo – 516,000
Maya Angelou, I Know Why the Caged Bird Sings – 515,000
Alice Walker, The Color Purple – 513,000
Paula Hawkins, The Girl on The Train – 509,000
Kurt Vonnegut, Slaughterhouse-Five – 506,000
Agatha Christie, And Then There Were None – 505,000
Sigmund Freud, The Interpretation of Dreams – 500,000
Marjane Satrapi, Persepolis – 495,000
P. L. Travers, Mary Poppins – 469,000
Helen Fielding, Bridget Jones’ Diary – 468,000
Trevor Noah, Born a Crime – 449,000
Donna Tartt, The Secret History – 445,000
Ralph Ellison, Invisible Man – 439,000
John Williams, Stoner – 435,000
Yann Martel, Life of Pi – 420,000
Ernest Hemingway, The Sun Also Rises – 411,000
Kazuo Ishiguro, Never Let Me Go – 409,000
Antoine de Saint-Exupéry, The Little Prince – 397,000
William Gibson, Neuromancer – 397,000
Mark Haddon, The Curious Incident of the Dog in the Night-Time – 394,000
Bryan Stevenson, Just Mercy – 389,000
Franz Kafka, The Trial – 387,000
Zora Neale Hurston, Their Eyes Were Watching God – 381,000
James Joyce, A Portrait of the Artist as a Young Man – 375,000
Kathryn Stockett, The Help – 372,000
Hunter S. Thompson, Fear and Loathing in Las Vegas – 368,000
Fyodor Dostoevsky, Crime and Punishment – 361,000
Elena Ferrante, The Neapolitan Novels – 356,000
Umberto Eco, The Name of the Rose – 353,000
Alex Haley, Roots – 352,000
Chimamanda Ngozi Adichie, Americanah – 350,000
Jonathan Franzen, Freedom – 344,000
Toni Morrison, The Bluest Eye – 341,000
W.E.B. Du Bois, The Souls of Black Folk – 323,000
Ian McEwan, Atonement – 319,000
Toni Morrison, Song of Solomon – 317,000
Rabindranath Tagore, The Home and the World – 315,000
Marcel Proust, In Search of Lost Time – 305,000
Colson Whitehead, The Underground Railroad – 302,000
Tim O’Brien, The Things They Carried – 300,000
David Foster Wallace, Infinite Jest – 293,000
Larry McMurtry, Lonesome Dove – 291,000
Philip K. Dick, Do Androids Dream of Electric Sheep? – 284,000
Shirley Jackson, The Haunting of Hill House – 282,000
Richard Wright, Native Son – 280,000
Harriet Jacobs, Incidents in the Life of a Slave Girl – 280,000
David Mitchell, Cloud Atlas – 279,000
Solomon Northup, Twelve Years a Slave – 273,000
André Aciman, Call Me By Your Name – 272,000
Don DeLillo, Underworld – 263,000
D.H. Lawrence, Lady Chatterley’s Lover – 258,000
Lorraine Hansberry, A Raisin in the Sun – 246,000
Haruki Murakami, Kafka on the Shore – 243,000
William Faulkner, The Sound and the Fury – 242,000
Amy Tan, The Joy Luck Club – 241,000
Toni Morrison, Sula – 239,000
Edith Wharton, The House of Mirth – 239,000
Arundhati Roy, The God of Small Things – 239,000
Gabriel García Márquez, One Hundred Years of Solitude – 238,000
Betty Friedan, The Feminine Mystique – 235,000
Cormac McCarthy, Blood Meridian – 234,000
Erich Maria Remarque, All Quiet on the Western Front – 232,000
J. M. Coetzee, Disgrace – 230,000
Fyodor Dostoevsky, The Brothers Karamazov – 226,000
Milan Kundera, The Unbearable Lightness of Being – 226,000
Salman Rushdie, Midnight’s Children – 224,000
Amor Towles, A Gentleman in Moscow – 223,000
James Baldwin, The Fire Next Time – 219,000
Banana Yoshimoto, Kitchen – 218,000
Raymond Chandler, The Big Sleep – 217,000
Djuna Barnes, Nightwood – 215,000
Frank McCourt, Angela’s Ashes – 211,000
Alice Sebold, The Lovely Bones – 208,000
Jeffrey Eugenides, Middlesex – 203,000
Mitch Albom, The Five People You Meet in Heaven – 199,000
Kazuo Ishiguro, The Remains of the Day – 198,000
Booker T. Washington, Up From Slavery – 197,000
Yaa Gyasi, Homegoing – 197,000
Erik Larson, The Devil in the White City – 191,000
Betty Smith, A Tree Grows in Brooklyn – 191,000
William Faulkner, As I Lay Dying – 187,000
Roberto Bolaño, 2666 – 187,000
Roxane Gay, Hunger – 187,000
Evelyn Waugh, Brideshead Revisited – 186,000
Ursula K. Le Guin, The Left Hand of Darkness – 186,000
Zadie Smith, White Teeth – 181,000
Sandra Cisneros, The House on Mango Street – 177,000
Robert A. Heinlein, Stranger in a Strange Land – 175,000
Jean Rhys, Wide Sargasso Sea – 173,000
Dashiell Hammett, The Maltese Falcon – 171,000
Audrey Niffenegger, The Time Traveler’s Wife – 170,000
E.M. Forster, Howards End – 170,000
Audre Lorde, Sister Outsider – 168,000
Nella Larsen, Passing – 168,000
Stendhal, The Red and the Black – 165,000
Marilynne Robinson, Gilead – 165,000
Alex Haley and Malcolm X, The Autobiography of Malcolm X – 164,000
James Baldwin, Notes of a Native Son – 163,000
J.M. Barrie, Peter and Wendy – 162,000
Michael Ondaatje, The English Patient – 160,000
John Kennedy Toole, A Confederacy of Dunces – 160,000
Willa Cather, My Ántonia – 158,000
Italo Calvino, Invisible Cities – 157,000
Thomas Pynchon, Gravity’s Rainbow – 156,000
Iris Murdoch, The Sea, The Sea – 154,000
Patricia Highsmith, The Talented Mr. Ripley – 150,000
Isabel Allende, The House of the Spirits – 148,000
James Baldwin, Giovanni’s Room – 147,000
Terry McMillan, How Stella Got Her Groove Back – 143,000
Haruki Murakami, Kafka on the Shore – 139,000
Angela Carter, The Bloody Chamber – 139,000
Don DeLillo, White Noise – 139,000
A.S. Byatt, Possession – 139,000
Philip Roth, American Pastoral – 138,000
Mark Z. Danielewski, House of Leaves – 137,000
Pearl S. Buck, The Good Earth – 136,000
William Faulkner, Absalom, Absalom! – 136,000
Sherwood Anderson, Winesburg, Ohio – 133,000
Jhumpa Lahiri, The Interpreter of Maladies – 133,000
Flannery O’Connor, A Good Man is Hard to Find – 132,000
Marilynne Robinson, Housekeeping – 129,000
Octavia Butler, Kindred – 128,000
Willa Cather, O Pioneers! – 127,000
Sojourner Truth, The Narrative of Sojourner Truth – 127,000
Vladimir Nabokov, Pale Fire – 126,000
Shirley Jackson, We Have Always Lived in the Castle – 126,000
Vikram Seth, A Suitable Boy – 125,000
Jonathan Safran Foer, Everything is Illuminated – 125,000
Tom Wolfe, The Bonfire of the Vanities – 122,000
Jean Toomer, Cane – 118,000
Carlos Ruiz Zafón, The Shadow of the Wind – 118,000
Jonathan Franzen, The Corrections – 115,000
Susanna Clarke, Jonathan Strange & Mr. Norrell – 115,000
James Baldwin, Go Tell It On the Mountain – 115,000
Jennifer Egan, A Visit From the Goon Squad – 113,000
Philip Roth, The Plot Against America – 112,000
John le Carré, Tinker Tailor Soldier Spy – 109,000
Sarah Waters, Fingersmith – 109,000
Curtis Sittenfeld, Prep – 108,000
Philip Roth, Portnoy’s Complaint – 104,000
Leslie Marmon Silko, Ceremony – 102,000
Richard Yates, Revolutionary Road – 101,000
José Saramago, Blindness – 101,000
Marguerite Duras, The Lover – 96,300
Carson McCullers, The Heart is a Lonely Hunter – 95,700
Maxine Hong Kingston, The Woman Warrior – 87,100
Joan Didion, Slouching Towards Bethlehem – 86,600
Dave Eggers, A Heartbreaking Work of Staggering Genius – 84,700
Raymond Carver, What We Talk About When We Talk About Love – 83,400
Jacqueline Susann, Valley of the Dolls – 80,200
Robert Pirsig, Zen and the Art of Motorcycle Maintenance – 76,600
Junot Díaz, The Brief Wondrous Life of Oscar Wao – 69,400
Annie Dillard, Pilgrim at Tinker Creek – 67,300
Louise Erdrich, Love Medicine – 66,300
Jeffrey Eugenides, The Virgin Suicides – 66,200
Rudolfo Anaya, Bless Me, Ultima – 60,700
Maggie Nelson, Bluets – 57,300
Michael Chabon, The Amazing Adventures of Kavalier & Clay – 56,000
Denis Johnson, Jesus’ Son – 53,700
Jamaica Kincaid, A Small Place – 51,300
Edwidge Danticat, Breath, Eyes, Memory – 51,000
Samuel R. Delany, Dhalgren – 42,900
Edward P. Jones, The Known World – 40,100

* Como o título é regularmente escrito de duas maneiras diferentes, esse número foi alcançado pela combinação de 11.800.000 instâncias de “ 1984 ” e 997.000 de “ Mil novencentos e oitenta e quatro ”

** Sei que são tecnicamente três livros (embora ele sempre quisesse que fossem publicados como um); para o bem ou para o mal, pensei que faria mais sentido funcional ir com o título da trilogia neste caso.

*** Este número foi alcançado combinando os resultados para os títulos dos EUA e do Reino Unido para este livro: Harry Potter e a Pedra Filosofal (Reino Unido) teve 2.720.000 menções e Harry Potter e a Pedra Filosofal (EUA) teve 1.590.000.

.oOo.

Emily Temple é editora-chefe da Lit Hub. Seu primeiro romance, The Lightness , foi publicado por William Morrow / HarperCollins em junho de 2020.

Atrás do balcão da Bamboletras (XXXIX)

Atrás do balcão da Bamboletras (XXXIX)

Chega uma moça e pergunta para quem estava no atendimento:

— Eu quero um livro para a minha avó que está fazendo 88 anos. Ela gosta de romances que tenham uma pegada sexual.

O atendente ri nervoso e me chama:

— Milton!!!

E eu desço as escadas com aquela postura inequívoca de especialista em literatura de pegada sexual.

— Milton, esta cliente pediu…

— Eu ouvi.

E eu começo a pensar… A pensar… E paro em A Gorda, extraordinário romance de Isabela Figueiredo. Conto a história do livro. Falo de seu realismo, da baixa autoestima, da profissão, da vida portuguesa, do namorado fpd, de tudo o que acontece e na linha reta utilizada pela autora cada vez que fala em sexo. A franqueza é absoluta.

A moça pede outras ideias e eu sugiro mais dois ou três livros, meio sem vontade.

Finalmente, ela abre A Gorda numa página aleatória. De repente, arregala os olhos e diz sim, vou levar este, minha avó vai adorar!

Dia das Mães, uma lembrança

Dia das Mães, uma lembrança

Estávamos lá por 2004 e minha mãe estava começando a ficar confusa. Ela era uma viúva de 77 anos e passava muito tempo parada em casa. Aposentou-se aos 73 e foi horrível para ela. Prejudicou-a muito, acho eu, ela ficou solitária. Eu a visitava sempre, mas naquele dia resolvi levá-la ao cinema.

O filme era muito bom, com uma história cheia de complicações. ‘Longe do Paraíso’ parecia algo escrito por Tennessee Williams.

Frank e Cathy (Julianne Moore) eram um casal modelo no final de década de 1950. Ele era um executivo influente, enquanto ela desempenhava à risca o papel de esposa dedicada e atenciosa, que se ocupava em tempo integral com o lar, coisa que minha mãe nunca fez. D. Maria Luiza era dentista — uma das primeiras do RS, formada em 1948 — e cumpria dupla jornada em casa. Isto é, trabalhava muito em casa para nós e muito no consultório, onde era admirada pelos clientes.

Mas voltemos ao filme. Frank, entretanto, sentia-se atraído por outros homens, e mantinha à medo relações esporádicas fora de casa. Uma noite, quando o marido mais uma vez se atrasou, Cathy decidiu visitá-lo no escritório com uma refeição quentinha. Ao chegar, encontrou-o nos braços de um amante. Ele confessou que já vivenciara sentimentos desta natureza no passado, mas acreditava ser capaz de superá-los. Então, o casal decide procurar o auxílio de um psiquiatra.

Em meio a isto, Cathy torna-se alvo de comentários por aproximar-se de seu jardineiro, um negro. Um filme amplo — homossexualidade, armário, racismo, infidelidade e uma versão anos 50 de cura gay.

Durante o filme, observei que a mãe estava bem quieta. Eu revisava a toda hora se ela dormia. No final, perguntei-lhe o que achara, esperando ouvir qualquer coisa vinda das crescentes brumas que lhe atrapalhavam o cérebro. Pois ela me surpreendeu com uma opinião muito lúcida a respeito da relação do casal e dos amantes. Juntos, fizemos o elogio do filme e falamos sobre o sem-solução de tudo aquilo.

Acho que esta foi a última vez que vi-ouvi minha mãe inteira. Ela viveu mais 8 anos.

Foi nisso que pensei hoje, nesta véspera de Dia das Mães. Pois é, em minha mãe e em um filme.

(Deixo aqui uma foto dela de 1949, acompanhada do verso da mesma, anotado por meu pai. Eu nasceria 8 anos depois).

Os livros mais vendidos de abril na Bamboletras

Os livros mais vendidos de abril na Bamboletras

Aqui está a lista dos mais vendidos de abril aqui na Bamboletras!

1. Torto Arado, de Itamar Vieira Junior (Todavia)
2. O Avesso da Pele, de Jeferson Tenório (Companhia das Letras)
3. Os Supridores, de José Falero (Todavia)
4. Vista Chinesa, de Tatiana Salem Levy (Todavia)
5. O Oráculo da Noite, de Sidarta Ribeiro (Companhia das Letras)
6. Marrom e Amarelo, de Paulo Scott (Alfaguara)
7. A estrangeira, de Claudia Durastanti (Todavia)
8. Talvez você deva conversar com alguém, de Lori Gottlieb (Vestígio)
9. O som do rugido da onça, de Micheliny Verunschk (Companhia das Letras)
10. A vida não é útil, de Ailton Krenak (Companhia das Letras)

📝Faz teu pedido na Bambô:
📍 De segunda à sábado, das 10h às 19h.
🚴🏾Pede tua tele: (51) 992556885 ou 3221-8764.
🖥 Confere o nosso site: bamboletras.com.br
📱 Ou nos contate pelas nossas redes sociais, no Insta ou no Facebook!

#livraria #livros #bookstagram #apoielocal #bamboletras #bamboleitor #literatura #maisvendidos #bestsellers

Ser colorado

Tive que explicar para um carioca, o Guto Leite, o que é ser colorado. É incompreensível mesmo.

“Nós somos assim: quando estamos no auge, pensamos no futuro negro que nos aguarda. Quando afundamos, jamais vamos subir. Já os gremistas são uns bobos alegres, imortais e perfeitos. Quando estão mal, a culpa é dos juízes ou da federação. Quando são criticados, a imprensa é injusta e exagerada. Até hoje, nunca perderam uma partida. Estão invictos desde 1903, algo increíble. Nós perdemos todos os dias ao acordarmos. Aliás, vamos perder hoje para o Juventude e seremos eliminados do Gaúcho. Já estou deprimido.”

Alberto Lizzio (1926-1999) jamais existiu

Alberto Lizzio (1926-1999) jamais existiu

Alberto Lizzio nasceu em Merano, Tirol do Sul, em 30 de maio de 1926, estudou violino, composição e regência em Milão, Lombardia. Sua segunda esposa, com quem teve um filho, morreu em 1980 em um acidente de carro em que Lizzio ficou gravemente ferido. Ele morreu em 22 de outubro de 1999, em Dresden. Suas gravações apareciam na MoviePlay, selo divulgadíssimo no Brasil no final do século passado. Muitas vezes ouvi seu nome na Rádio da Ufrgs e outras.

Só que…

Alberto Lizzio era um pseudônimo inventado pelo produtor musical e maestro Alfred Scholz e vinculado a performances antigas, geralmente conduzidas por Hans Swarowsky, Milan Horvat, Carl Melles ou o próprio Scholz. Essas apresentações eram usadas para lançar gravações clássicas baratas para o mercado de massa. A orquestra Musici di San Marco e Philharmonia Slavonica também jamais existiram…

Alberto Lizzio tinha até uma cara, imaginem. Quem seria o cara acima?

Guerrero fica

Guerrero fica

Depois de espernear e dizer em Nota que estava sendo desrespeitado, Guerrero decidiu ficar no Inter. Tudo porque a diretoria do clube resolver cobrar a clausula de rescisão de contrato, cujo valor estaria entre 12 e 24 milhões — não foi informado o valor exato.

Ele tem contrato por 8 meses, até o final do ano, e jamais receberia este dinheiro em outro clube no mesmo período. Porém, o mais importante é o recado aos empresários do meio futebolístico: acabou a história de jogador e empresário fazendo o que querem. Jogador sai por acordo das duas partes.

Se o treinador quer Guerrero, ele precisa pagar para sair, coisa que não sei se ocorreria nos tempos de Carvalho-Luigi-Píffero-MIG. Eram tempos bem mais fáceis para tirar dinheiro do clube. Seja para empresários, seja para influencers.

Gosto do fato do presidente Alessandro Barcellos estar efetivamente preocupado com as finanças e que endureça nestes casos de acusações infundadas. O contrato foi assinado, o clube quer que o cara fique, então ele fica. Ponto.

Se Guerrero fizer corpo mole, vai prejudicar sua carreira. Se começar a jogar mal aos 37 anos, quem o contratará em 2022?

Ele que dispute espaço com Yuri e Galhardo e siga bem na vida.

27 anos sem Mario Quintana

27 anos sem Mario Quintana

Não sou tão velho assim – ou sou? – , mas conheci Mario Quintana. Ou melhor, falei com ele casualmente uma vez. Conversamos numa Feira do Livro a respeito de algo tão prosaico que não lembro bem do assunto. Acho que ele estava procurando um livro numa banca e me perguntou se eu tinha visto. Sim, foi isso. E eu saí procurando sem encontrar. Fim.

Ele foi uma figura conhecida em Porto Alegre. Era o discreto dono da pequena celebridade possível a um autor gaúcho. Sua única extravagância era a de habitar um hotel do centro onde atualmente é a Casa de Cultura Mario Quintana. No seu quarto havia pouco de seu, o que era de Quintana estava espalhado em livros e jornais.

Quintana fazia pouco caso dos críticos que, aliás, costumavam tratá-lo muito bem. Dizia que escrevia suas poesias (e suas crônicas eram também poesia) por sentir necessidade de escrever. Nunca saiu do Rio Grande do Sul, mas era um esplêndido tradutor. Suas traduções de Balzac, Virginia Woolf, Voltaire e Proust são exemplos de perfeição e senso de estilo.

Quintana nasceu em Alegrete (RS) em 30 de junho de 1906 e faleceu em Porto Alegre no dia 5 de maio de 1994, há 20 anos. Abaixo, alguns exemplos de sua poesia.

Dos Milagres

O milagre não é dar vida ao corpo extinto,
Ou luz ao cego, ou eloquência ao mudo…
Nem mudar água pura em vinho tinto…
Milagre é acreditarem nisso tudo!

Da Discrição

Não te abras com teu amigo
Que ele um outro amigo tem.
E o amigo do teu amigo
Possui amigos também…

O Mapa

Olho o mapa da cidade
Como quem examinasse
A anatomia de um corpo…

(É nem que fosse o meu corpo!)

Sinto uma dor infinita
Das ruas de Porto Alegre
Onde jamais passarei…

Há tanta esquina esquisita,
Tanta nuança de paredes,
Há tanta moça bonita
Nas ruas que não andei
(E há uma rua encantada
Que nem em sonhos sonhei…)

Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso…

Presença

É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos…
É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
a folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo…
Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu sentir
como sinto – em mim – a presença misteriosa da vida…
Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com o teu retrato…
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te!

(sem título)

Da vez primeira em que me assassinaram
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha…
Depois, de cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha…
E hoje, dos meus cadáveres, eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada…
Arde um toco de vela, amarelada…
Como o único bem que me ficou!
Vinde, corvos, chacais, ladrões da estrada!
Ah! Desta mão, avaramente adunca,
Ninguém há de arrancar-me a luz sagrada!
Aves da Noite! Asas do Horror! Voejai!
Que a luz, trêmula e triste como um ai,
A luz do morto não se apaga nunca!

Canção do Dia de Sempre

Tão bom viver dia a dia…
A vida assim, jamais cansa…
Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu…
E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência… esperança…
E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.
Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.
Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!
E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas…

Poeminho do Contra

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!

A Autobiografia, de Woody Allen

A Autobiografia, de Woody Allen

Charles Dickens difamou sua esposa porque desejava se separar. J. D. Salinger era esquisito com as meninas adolescentes… George Orwell denunciou stalinistas para o serviço secreto inglês — alguns denunciados eram “amigos” seus e dizem que foi pago por isso. (Não sou stalinista, OK?). Gertrude Stein parecia admirar fascistas. Ernest Hemingway foi espião da KGB. Jack London era racista. Monteiro Lobato também. Roald Dahl era antissemita e todo mundo lê seus livros e vê A Fantástica Fábrica de Chocolates. William Golding tentou estuprar uma garota de 15 anos. Norman Mailer quase assassinou sua esposa — apunhalou-a no estômago e nas costas. Céline era um fascista de 4 costados. Muita gente lê estes autores e, olha, Woody Allen me parece ser bem mais tranquilo, além de ter sido profundamente investigado e inocentado. É estranha a perseguição que ainda sofre.

OK, não é muito normal casar-se com a filha da namorada — ela era filha adotiva de Mia Farrow e André Previn –, admito. Mas não vou me preocupar com isso.

Antes de escrever algo sobre o livro, digo que o editor brasileiro foi desrespeitoso para com seu título original, coisa que não aconteceu em Portugal, como vemos ao lado. O nome do livro em inglês é Apropos of Nothing. Este é o primeiro problema, o segundo é a tradução, que apenas eventualmente traz integralmente a voz e o estilo de Allen e usa certas gírias que ou são antiquadas ou muito Região Sudeste, não sei bem. Conheço mais 3 pessoas de Porto Alegre que leram o livro e todas reclamaram do trabalho do tradutor.

Apesar de tudo isso, curti o livro. A cada página há piadas hilariantes e boas histórias sobre conhecidas personalidades do cinema. Meu interesse só caiu quando a autobiografia foi interrompida pelo Caso Mia. É claro que o caso é incontornável — afinal, o fato interrompeu a vida profissional do cineasta, mas eu já conhecia bem a história e o texto não acrescentou muita coisa ao que eu já sabia, só preencheu algumas lacunas. Porém, fica claro que o livro só existe porque ele queria deixar clara sua visão.

Antes, ele descreve sua infância e nos leva pelo caminho através do qual se estabeleceu como um dos grandes cineastas americanos da década de 70 em diante. É um deleite ler sobre as décadas de 70 e 80, onde produziu filmes inesquecíveis como Annie Hall, Manhattan, Hanna e suas irmãs e outros. Os filmes mais recentes, mesmo os excelentes Match Point e Meia-Noite em Paris, recebem menor destaque. O texto de Allen é muitíssimo engraçado e ele releva-se modesto, sempre falando na sorte que teve. Seu único motivo de orgulho parece ser o fato de ter nascido cômico e de ter uma incrível capacidade de trabalho. Imaginem que ele assinou mais de 50 filmes, atuando em muitos deles. Filho de um livreiro e descendente de judeus de origem alemã, Woody Allen frequentou a Universidade de Nova Iorque, mas não completou os estudos. Muito jovem, começou a vender textos de humor para comediantes. Os primeiros filmes que o tornaram famoso foram as comédias leves, como Bananas (1971), Tudo o que você sempre quis saber sobre sexo mas tinha medo de perguntar (1972) e O Dorminhoco  (1973). Só depois vieram seus clássicos, que permitiram a Allen explorar alguns dos seus temas preferidos: a cidade de Nova Iorque, a religião judaica, a psicanálise e a burguesia intelectual norte-americana. Ele também analisa sua tendência e admiração pelos filmes sérios, mas que se sai melhor provocando risadas, para o que sua figura ainda contribui.

Fica óbvio que, como cineasta, a imagem que Allen tem de si é bastante diferente daquela que percebemos como cinéfilos. E é interessante entender isso.

Penso que o livro seja altamente recomendável para fãs do cineasta. Para os demais, vale a leitura para conhecer de perto este episódio inacreditável criado pela “moral” estadunidense. Tudo faz crer que o cancelamento de Woody seja apenas um protesto contra a sua relação com Soon-Yi, que a maioria da sociedade americana, em sua hipocrisia religiosa, considera um “pecado” mais que um fato pouco comum. Sim, é um fato pouco comum e nada muito além disto. Certas coisas, definitivamente, só acontecem nos Estados Unidos. Seus filmes continuam sendo vistos na Europa e em muitos outros países, mas não nos EUA. Curioso.

Woody Allen, o cineasta interrompido | Foto: Divulgação

Presidente de Portugal defende leitura como impulso à economia: ‘É aposta no desenvolvimento a longo prazo’

Em entrevista exclusiva, Marcelo Rebelo de Souza relata suas doações de mais de 200 mil livros e títulos e comenta a polêmica sobre tributação no Brasil

De O Globo.

PORTO, Portugal — Presidente dos Afetos, como é carinhosamente conhecido em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa defende com ternura a educação e a leitura como principal caminho para o desenvolvimento econômico de longo prazo.

Em entrevista à coluna Portugal Giro, ele conta como suas doações de livros ajudaram a tornar Celorico de Basto, terra de sua avó e então município mais pobre de Portugal, em um celeiro de cultura.

Chamada: ‘Há qualidade de vida no interior de Portugal, faltam pessoas. É o momento de os brasileiros virem’, diz ministra do país

— Havia de encontrar onde apostar no desenvolvimento. E eu entendi que era a longo prazo, na cultura e na educação.

A cidade ganhou notoriedade e melhorou a infraestrutura. Depois da biblioteca, Marcelo apadrinhou uma feira do livro, que atraiu ao longo dos anos políticos, escritores, jornalistas, turistas e potenciais investidores.

Imigração: Inscrições de médicos brasileiros em Portugal aumentam 12% na pandemia

O presidente português comentou ainda a recente polêmica sobre o acesso a livros no Brasil, após estudo da Receita Federal defender a tributação no setor sob o argumento de que os pobres leem menos do que os ricos:

— É evidente que há uma clivagem econômica e social muito acentuada. Quem lê mais, escreve mais e melhor. Marca o começo da vida. As escolas públicas e particulares têm o dever de corrigir essa desigualdade — afirma Marcelo, que já fez mais de 200 mil doações.

O bolsonarismo e a taxação dos livros: hipocrisia, mentira e anti-intelectualismo

O bolsonarismo e a taxação dos livros: hipocrisia, mentira e anti-intelectualismo

Do Esquerda Online.

A isenção tributária sobre os livros é uma garantia constitucional, consagrada no artigo 150, daquela que ficou conhecida como a Constituição Cidadã. De certo modo foi um gesto de um Brasil que, recém-saído de 21 anos de Ditadura, buscou valorizar o papel da educação e da cultura – e dos livros como um de seus instrumentos – para construção de uma sociedade democrática.

Não nos deveria causar espanto um governo odioso como o de Bolsonaro voltar suas armas também contra essa garantia constitucional. Afinal, cultura e educação, já sabemos bem, são um dos principais alvos do bolsonarismo. Nesse caso específico, o argumento utilizado pelo Ministro Paulo Guedes, segundo o qual a leitura de livros seria um hábito de luxo, apenas para ricos, e que a sua taxação seria uma espécie de justiça social ao poder com isso destinar mais recursos aos pobres – ao bolsa família por exemplo – é também típico da hipocrisia e superficialidade do desgoverno federal.

Basta uma rápida ida ao texto da Constituição e veremos, por exemplo, que no mesmo artigo 150, que veda à União, Estados e Municípios a instituição de imposto sobre os livros; também há, algumas alíneas acima, a mesma garantia em relação aos templos religiosos de qualquer culto. Se você que lê essas linhas mora no Brasil, deve ter conhecimento dos verdadeiros impérios construídos com base na exploração econômica da fé.

É de conhecimento público a intensa e diversa atividade econômica que ultrapassa as paredes dos templos. E por óbvio, também sabemos que esses impérios há muito criaram raízes na política institucional brasileira, vide a própria bancada da bíblia no congresso federal com sua Frente Parlamentar Evangélica (FPE) composta de 182 parlamentares. Ao que parece, os únicos que não sabem disso são Paulo Guedes e sua equipe econômica, que ao se debruçar sobre o mesmo artigo da Constituição preferiram centrar fogo nos livros. Sabemos bem o porquê, não é mesmo?

E tem mais, quando alega que os recursos da taxação dos livros poderão ser utilizados para distribuição de renda, Guedes mente desavergonhadamente sobre a natureza da reforma tributária que está sendo planejada. No Brasil, toda a carga tributária está sustentada em cima do consumo, e não da renda ou patrimônio. Isso faz com que, ao contrário do que se pensa, sejam os mais pobres que pagam proporcionalmente mais impostos. É o que se chama de carga tributária regressiva. É justamente esse mecanismo perverso e, considerando as profundas desigualdades sociais e raciais brasileiras, racista, que o governo federal não tem a menor intenção de alterar. Nesse sentido, o discurso de Guedes não passa de um engodo.

Autoritarismo e anti-intelectualismo

Esse episódio da taxação dos livros deve ainda nos fazer pensar sobre outra lição que a História há muito nos ensinou. O Anti-intelectualismo é marcadamente um dos traços dos governos de viés autoritário. Os fascistas, particularmente, abominam a ciência com o mesmo fervor que cultuam os mitos. Num recente e necessário livro publicado em 2018, sob o título “Como funciona o fascismo”, o filosofo estadunidense Jason Stanley sustenta que:

“A política fascista procura minar o discurso púbico atacando e desvalorizando a educação, a especialização e a linguagem. É impossível haver um debate inteligente sem uma educação que dê acesso a diferentes perspectivas, sem respeito pela especialização quando se esgota o próprio conhecimento e sem uma linguagem rica o suficiente para descrever com precisão a realidade.”

Stanley ainda argumenta que, para os fascistas, o debate público deve ser ocupado não com a ciência, ou com formulações balizadas por pesquisas, pluralidade de perspectivas, experimentação e formulação de hipóteses; mas sim pela propaganda doutrinária. E para isso, recorre a ninguém menos que o próprio Adolf Hitler, que escreveu na sua biografia Mein Kampf que:

“A capacidade receptiva das massas é muito limitada, e sua compreensão é pequena; por outro lado, elas têm um grande poder de esquecer. Sendo assim, toda propaganda eficaz deve limitar-se a pouquíssimos pontos que devem ser destacados na forma de slogans.”

Num país que desgraçadamente tornou-se o epicentro mundial da pandemia, estamos experimentando da pior maneira possível a consequência do Anti-intelectualismo, da vulgarização da importância da leitura e negação da ciência. Esse governo genocida negou a gravidade da Covid-19, a apelidou de gripezinha, sabotou as medidas sanitárias e implementou uma verdadeira política anti-vacina. O preço de tudo isso está sendo cobrada em vidas e, com os sucessivos reveses do plano de vacinação que aponta para uma indefinida escassez de vacinas, ainda estamos longe de saber qual será a extensão dessa fatura sinistra.