Drops políticos

Drops políticos

Este governo é o governo do baixo clero, dos achacadores, dos pequenos ladrões, das rachadinhas, das pequenas propinas para viabilizar um prédio aqui ou uma obra ali. Não é um governo de grandes ladrões, como já tivemos tantos, é um um governo ao qual falta conhecimento para tudo, até para roubar. Falta-lhes educação, ética, humanidade, inteligência, classe (no sentido de elegância), tudo. Não conseguem nem nos enganar…

Superfaturar a vacina que todos estão esperando e de olho é burrice. Apoiar madeireiras para devastar a Amazônia é outra burrice. Ah, que saudades do Temer..

.oOo.

“Acabou Chorare” é um dos melhores discos já lançados no Brasil — alguns dizem que é o melhor –, mas agora só quero ouvir “Acabou Sonaro”.

.oOo.

Bolsonaro se descontrola facilmente quando as perguntas vêm de mulheres. Eu acho que, se os questionamentos viessem de um repórter vestido de militar, ele se apaixonaria na hora. Sai do armário e vive uma vida autêntica, quirido!

Terra x Tasso na CPI

Terra x Tasso na CPI

O senador Tasso Jereissati resumiu tudo ao questionar Osmar Terra, o deputado que orientou o genocida:

Tasso: O senhor previu que a pandemia mataria menos que a H1N1?
Terra: Correto.
Tasso: Que haveria cerca de 900 mortes apenas?
Terra: Sim
Tasso: Falou que a pandemia acabaria em junho ou julho de 2020?
Terra: Sim.
Tasso: Falou pra esquecer vacina, porque não teria a tempo?
Terra: Nunca tinham desenvolvido vacina no surto pandêmico. Conseguiram nessa.
Tasso: E que não haveria segunda onda no Amazonas?
Terra: Eu disse que era pouco provável.
Tasso: Não está na hora de o senhor parar de dar opinião?

Osmar Terra previu um Inter arrasador em 2021

 

Presidente de Portugal defende leitura como impulso à economia: ‘É aposta no desenvolvimento a longo prazo’

Em entrevista exclusiva, Marcelo Rebelo de Souza relata suas doações de mais de 200 mil livros e títulos e comenta a polêmica sobre tributação no Brasil

De O Globo.

PORTO, Portugal — Presidente dos Afetos, como é carinhosamente conhecido em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa defende com ternura a educação e a leitura como principal caminho para o desenvolvimento econômico de longo prazo.

Em entrevista à coluna Portugal Giro, ele conta como suas doações de livros ajudaram a tornar Celorico de Basto, terra de sua avó e então município mais pobre de Portugal, em um celeiro de cultura.

Chamada: ‘Há qualidade de vida no interior de Portugal, faltam pessoas. É o momento de os brasileiros virem’, diz ministra do país

— Havia de encontrar onde apostar no desenvolvimento. E eu entendi que era a longo prazo, na cultura e na educação.

A cidade ganhou notoriedade e melhorou a infraestrutura. Depois da biblioteca, Marcelo apadrinhou uma feira do livro, que atraiu ao longo dos anos políticos, escritores, jornalistas, turistas e potenciais investidores.

Imigração: Inscrições de médicos brasileiros em Portugal aumentam 12% na pandemia

O presidente português comentou ainda a recente polêmica sobre o acesso a livros no Brasil, após estudo da Receita Federal defender a tributação no setor sob o argumento de que os pobres leem menos do que os ricos:

— É evidente que há uma clivagem econômica e social muito acentuada. Quem lê mais, escreve mais e melhor. Marca o começo da vida. As escolas públicas e particulares têm o dever de corrigir essa desigualdade — afirma Marcelo, que já fez mais de 200 mil doações.

O bolsonarismo e a taxação dos livros: hipocrisia, mentira e anti-intelectualismo

O bolsonarismo e a taxação dos livros: hipocrisia, mentira e anti-intelectualismo

Do Esquerda Online.

A isenção tributária sobre os livros é uma garantia constitucional, consagrada no artigo 150, daquela que ficou conhecida como a Constituição Cidadã. De certo modo foi um gesto de um Brasil que, recém-saído de 21 anos de Ditadura, buscou valorizar o papel da educação e da cultura – e dos livros como um de seus instrumentos – para construção de uma sociedade democrática.

Não nos deveria causar espanto um governo odioso como o de Bolsonaro voltar suas armas também contra essa garantia constitucional. Afinal, cultura e educação, já sabemos bem, são um dos principais alvos do bolsonarismo. Nesse caso específico, o argumento utilizado pelo Ministro Paulo Guedes, segundo o qual a leitura de livros seria um hábito de luxo, apenas para ricos, e que a sua taxação seria uma espécie de justiça social ao poder com isso destinar mais recursos aos pobres – ao bolsa família por exemplo – é também típico da hipocrisia e superficialidade do desgoverno federal.

Basta uma rápida ida ao texto da Constituição e veremos, por exemplo, que no mesmo artigo 150, que veda à União, Estados e Municípios a instituição de imposto sobre os livros; também há, algumas alíneas acima, a mesma garantia em relação aos templos religiosos de qualquer culto. Se você que lê essas linhas mora no Brasil, deve ter conhecimento dos verdadeiros impérios construídos com base na exploração econômica da fé.

É de conhecimento público a intensa e diversa atividade econômica que ultrapassa as paredes dos templos. E por óbvio, também sabemos que esses impérios há muito criaram raízes na política institucional brasileira, vide a própria bancada da bíblia no congresso federal com sua Frente Parlamentar Evangélica (FPE) composta de 182 parlamentares. Ao que parece, os únicos que não sabem disso são Paulo Guedes e sua equipe econômica, que ao se debruçar sobre o mesmo artigo da Constituição preferiram centrar fogo nos livros. Sabemos bem o porquê, não é mesmo?

E tem mais, quando alega que os recursos da taxação dos livros poderão ser utilizados para distribuição de renda, Guedes mente desavergonhadamente sobre a natureza da reforma tributária que está sendo planejada. No Brasil, toda a carga tributária está sustentada em cima do consumo, e não da renda ou patrimônio. Isso faz com que, ao contrário do que se pensa, sejam os mais pobres que pagam proporcionalmente mais impostos. É o que se chama de carga tributária regressiva. É justamente esse mecanismo perverso e, considerando as profundas desigualdades sociais e raciais brasileiras, racista, que o governo federal não tem a menor intenção de alterar. Nesse sentido, o discurso de Guedes não passa de um engodo.

Autoritarismo e anti-intelectualismo

Esse episódio da taxação dos livros deve ainda nos fazer pensar sobre outra lição que a História há muito nos ensinou. O Anti-intelectualismo é marcadamente um dos traços dos governos de viés autoritário. Os fascistas, particularmente, abominam a ciência com o mesmo fervor que cultuam os mitos. Num recente e necessário livro publicado em 2018, sob o título “Como funciona o fascismo”, o filosofo estadunidense Jason Stanley sustenta que:

“A política fascista procura minar o discurso púbico atacando e desvalorizando a educação, a especialização e a linguagem. É impossível haver um debate inteligente sem uma educação que dê acesso a diferentes perspectivas, sem respeito pela especialização quando se esgota o próprio conhecimento e sem uma linguagem rica o suficiente para descrever com precisão a realidade.”

Stanley ainda argumenta que, para os fascistas, o debate público deve ser ocupado não com a ciência, ou com formulações balizadas por pesquisas, pluralidade de perspectivas, experimentação e formulação de hipóteses; mas sim pela propaganda doutrinária. E para isso, recorre a ninguém menos que o próprio Adolf Hitler, que escreveu na sua biografia Mein Kampf que:

“A capacidade receptiva das massas é muito limitada, e sua compreensão é pequena; por outro lado, elas têm um grande poder de esquecer. Sendo assim, toda propaganda eficaz deve limitar-se a pouquíssimos pontos que devem ser destacados na forma de slogans.”

Num país que desgraçadamente tornou-se o epicentro mundial da pandemia, estamos experimentando da pior maneira possível a consequência do Anti-intelectualismo, da vulgarização da importância da leitura e negação da ciência. Esse governo genocida negou a gravidade da Covid-19, a apelidou de gripezinha, sabotou as medidas sanitárias e implementou uma verdadeira política anti-vacina. O preço de tudo isso está sendo cobrada em vidas e, com os sucessivos reveses do plano de vacinação que aponta para uma indefinida escassez de vacinas, ainda estamos longe de saber qual será a extensão dessa fatura sinistra.

Dois gráficos aterrorizantes que dão a real sobre a evolução do Covid-19 no Brasil

Dois gráficos aterrorizantes que dão a real sobre a evolução do Covid-19 no Brasil

Acima, a proporção de mortos brasileiros em relação aos mortos do mundo inteiro, em comparação com o tamanho da população brasileira em relação ao resto do mundo.

E a proporção da população já vacinada em Israel, Reino Unido, Chile, EUA, Canadá, União Européia e, lá embaixo no gráfico, o Brasil.

As 300 mil mortes não abalaram os 30% de aprovação a Bolsonaro

As 300 mil mortes não abalaram os 30% de aprovação a Bolsonaro

As mais de 300 mil mortes não abalaram os 30% de aprovação a Bolsonaro. Ou seja, não dá para subestimar o tamanho da extrema direita e do fundamentalismo religioso no Brasil. Por outro lado, a rejeição a Bolsonaro está batendo nos 60%.

A equação está bem complicada, pois os 30% de ignorantes, religiosos, fascistas, machistas, pró-armas, etc. parecem ser impermeáveis a argumentos (e às mortes).

O principal candidato da oposição é óbvio. A direita e o centro civilizados é que não emplacaram ninguém ainda. E eles poderiam, quem sabe, corroer um pouco dos 30% do Bolso. Doria conseguiria isto? De onde sairiam seus eleitores?

Bem, eu acho que hoje a campanha na área política teria que ser a de desvincular religião e política. Quem criou isso? Ora, os próprios políticos de TODAS AS COLORAÇÕES. Sempre foi óbvio que as pessoas simples entendem melhor as propostas da direita. Só mesmo um tolo poderia achar que os evangélicos abraçariam a esquerda. Afinal, os bispos são protofascistas.

A outra opção é garantir que Bolsonaro e família têm parte com o diabo…

Nossa, quando lembro das fotos da inauguração do “Templo de Salomão” me dá espasmos.

Pastor Everaldo, depois preso por desvios no RJ, batizou Bolsonaro nas águas do rio Jordão

As mentiras de ontem à noite

As mentiras de ontem à noite

A fala de ontem de Bolsonaro me deixou mais uma vez perplexo. Desta vez não foi pela vulgaridade nem pela dificuldade que ele tem de ler, mas pelas mentiras mesmo. Foi como se ele achasse que poderia apagar todas as suas falas no cercadinho, nas entrevistas, nos domingos, no Twitter, no YouTube, nos discursos oficiais (gripezinha), etc.

O pior é que acho que o gado que o apoia talvez acredite nele. Talvez agora pense que, “debaixo dos panos, ele sempre quis a vacina”.

Uma vez, recebi de um bolsonarista religioso um artigo que dizia que a vacina era feita a partir de fetos abortados. Quando rebati, o cara quis brigar comigo, me ofendeu e tal. Então, acho que a maioria do gado está disposta a engolir tudo. Só espero que alguns se desgarrem.

O Custo Bolsonaro

Vídeo exemplar de autor anônimo.

O 247 diz que esta é uma propaganda neoliberal em razão da ausência do Guedes e de mais alguns detalhes. Já eu apoio qualquer um que ataque o genocida. Minha opinião é a de que, neste momento, devemos ficar ao lado de quem é anti-Bolsonaro, formando uma frente. Depois vemos as diferenças. Essa opinião do 247, é Ain, assim não aceito, que fique o mito…

Para guardar: os deputados gaúchos que votaram pela libertação do miliciano Daniel Silveira

Para guardar: os deputados gaúchos que votaram pela libertação do miliciano Daniel Silveira

Você, gaúcho, que vota em Bibo Nunes, Danrlei, Jerônimo Goergen, Marcel Van Hattem, Pedro Westphalen, Osmar Terra e outros notórios cretinos e imbecis, é um deles. Leiam bem os nomes dos deputados e dos partidos das duas colunas.

Sobre o lançamento de Haddad como candidato à presidência…

Sobre o lançamento de Haddad como candidato à presidência…

Sobre o lançamento de Haddad como candidato à presidência, digo que todo partido tem direito de apresentar seu candidato, mas não é uma atitude inteligente neste momento.

Creio que a oposição deveria antes pensar em construir uma chapa viável de destronar Bolsonaro. Fazendo como fazem habitualmente, cada partido contribuirá para a fragmentação, a qual pode deixar o segundo turno para duas candidaturas de direita ou, pior, permitir uma tranquila reeleição.

Mas o pessoal não aprende com os erros. Os egos, sabem?

Eu penso numa frente para derrotar Bolsonaro e esta não precisa ser só da esquerda. Hoje, nós não derrotamos ninguém. Hoje, vamos pra segunda divisão. E se achando…

.oOo.

Gosto de falar daquilo que vivencio ou entendo e sou um mero chutador em política. Deveria falar só de literatura, jornalismo e de música (como ouvinte), só que o mundo está cheio de diletantes.

Não entendo a necessidade de discutir o passado e de projetar os egos para o futuro!

A Frente Ampla fez 50 anos no Uruguai e a Geringonça segue em Portugal. Mas aqui há EGOS ENORMES que são imiscíveis. E seguidores que são imiscíveis. E pessoas que defendem sistemática e sem crítica partidos e pessoas.

É como discutir algo com alguém que responde “Siga-me, eu tenho a solução e sei como devemos agir”.

Quando leio os argumentos para não fazer uma frente, me dá vontade de fugir. Aliás, é o que vou fazer agora.

.oOo.

Celso Santos Carvalho escreveu e eu assino embaixo e por todos os lados:

Construir uma frente popular começa por: (1) querer; (2) juntar os partidos que se opõem ao fascismo e à direita golpista tucana; (3) elaborar um programa mínimo, que deixe de lado as divergências e concentre-se nos consensos; (4) querer mais ainda; (5) discutir esse programa com a sociedade, movimentos sociais, coletivos periféricos e não só com os lideres partidários; (6) melhorar o programa mínimo; (7) combinar publicamente como os partidos governarão juntos; e (8) só depois de tudo isso escolher a candidata ou candidato, preferencialmente por meio de prévias abertas a todos os eleitores. Começar pelo item 8 é o melhor jeito de dar tudo errado.

A esquerda levará décadas para voltar (e como eu gostaria de não ter razão)

A esquerda levará décadas para voltar (e como eu gostaria de não ter razão)

Quando começou a crise do governo Dilma, eu disse que levaria duas décadas para que algo semelhante à esquerda voltasse ao poder. Mas não disse só isso.

Disse também que os afagos aos Evangélicos — afagos que quase todos os políticos amavam e amam fazer — logo implantaria uma vulgaridade sem precedentes em nosso país. Que haveria ataques à cultura e à laicidade. Que essa gente era bagaceira demais.

Eu trabalhava num jornal de meio de esquerda e quis criticar a presença de Dilma e Lula na inauguração de um templo evangélico. Fui vetado. Meus colegas jornalistas riram. Eu era o ateu apocalíptico, um sujeito meio louco perto da tolerância religiosa bacana deles… Eu dizia que também era tolerante — e sou mesmo — só que não aceitava a religião aliada à política. Mas estava virando uma figura folclórica.

Só que eu falava sério. Hoje, estou detestando pensar que tinha razão. Acho melhor se refugiar nos amigos, nos livros e na música. Lira presidente do Congresso? Um cara apoiado pelo governo genocida e que até esganou a mulher? O impeachment está cada vez mais longe? Gente, qual é a surpresa?

.oOo.

No Fronteiras do Pensamento 2019, o psicanalista italiano Contardo Calligaris contou que seu pai protegeu vítimas do fascismo italiano e combateu na luta armada, correndo risco de vida e fazendo o mesmo com sua família. Também escondeu pessoas em sua casa e auxiliou um monte de gente, na maioria comunistas.

Quando o adolescente Contardo, orgulhoso de seu pai, perguntou-lhe porque ele fizera isso, esperava uma resposta altamente politizada. Mas ficou decepcionado (e irritado) com a resposta:

— Sabe, é porque os fascistas são muito vulgares.

Um juízo estético?

Acho que, hoje, no Brasil, muita, mas muita gente concorda com o Sr. Calligaris pai.

Continuando, Calligaris filho mostrou, então, duas imagens que, para ele, representam a vulgaridade fascista. Numa delas, crianças com arminhas, admiradoraszinhos de Mussolini, num protótipo perfeito da vulgaridade. Não preciso dizer a relação imediata que ele, voluntariamente, provocou em nós na plateia.

E, na outra, um grupo de fascistas queimando livros. No meio do grupo, um deles ri diretamente para a câmera. “Este cara com um chapéu e que está rindo. Eu acho que está rindo porque acha isso engraçado. Não só o que tem de profundamente vulgar é que ele está achando engraçado o que acontece, mas ele está supondo que nós olhando para este quadro estejamos achando isso engraçado também. Ele está imaginando que a gente vai rir com ele. Eu acho muito interessante isso. Eu gostaria de salientar que os fascismos teriam menos chances de existir – fascismo ou totalitarismos que sejam – se nós todos tomássemos uma atitude rigorosa de não rir das piadas idiotas. Nunca. Não tem nada que atrapalhe tanto um cretino quanto o fato de que, quando ele diz uma piada, ninguém acha engraçado.”

Oito anos do incêndio da Kiss

Oito anos do incêndio da Kiss

Há exatos oito anos, era domingo e o plantão no Sul21 era do Samir Oliveira. Ele trabalhou feito um condenado. O Igor Natusch correu para ajudá-lo, se não me engano. Eu estava na praia, na casa de minha irmã, e me vieram lágrimas quando falaram nos celulares tocando nos bolsos dos mortos.

O prefeito irresponsável hoje está todo pimpão em Porto Alegre, trabalhando na ínclita gestão de Sebastião Melo.

Na semana seguinte, viajei para a Europa com minha filha Bárbara Jardim. No primeiro dia em Roma, fomos ao Pantheon. Deu fome. O garçom perguntou se éramos brasileiros. “E moram perto de Santa Maria?”.

(Todos estão impunes. Não aconteceu ainda o julgamento dos réus).

O pastorzinho de merda

O pastorzinho de merda

Ao menos uma vez por dia, alguém vem me ofender no Twitter. Sempre fico meio assustado porque costumo levar a sério o que dizem. Depois dou risadas, pois, na verdade, as ofensas são sempre dirigidas ao Ministro da Educação Milton Ribeiro.

Eu sempre respondo com um #ForaBolsonaroGenocida, o que deve deixar o ofensor desconcertado por alguns segundos. Agora já posso responder com um #BolsonaroGenocidaComedorDePãoComLeiteCondensado.

Só que hoje me chamaram de pastorzinho de merda. E eu adorei! Ri alto!

Fico preocupado. Será que estou me acostumando a apanhar, mesmo que por tabela?

Os piores presidentes

Os piores presidentes

O pior presidente da história dos EUA está se despedindo. E o pior brasileiro está pedindo para acompanhá-lo. Hoje, o imbecil Ernesto Araújo confirmou que a China está complicando o envio de insumos para vacinas em razão das declarações de filhos do presidente e do próprio. Do próprio presidente e de Ernesto, podem escolher. E há Manaus, há aquele Ministro da Saúde e todo o genocídio. E os dribles da Índia e a logística….

Acho que chega. É pressionar pelo impeachment. Não dá mais. Se isso não é crime de responsabilidade, sei lá o que é. As pedaladas da Dilma não são nada perto deste anunciador da morte.

Sartori x Leite

Sartori x Leite

Eduardo Leite está atacando de apresentador do Show da Vacinação no RS. Vacinou cinco. Não tem talento pra coisa, mas está do lado certo e quer seu ganho político, claro.

Fico imaginando se o governador fosse o peemedebista Sartonaro. Acho que estaríamos chafurdando na mesma cloroquina do prefeito peemedebista Melo.

Ou seja, por mais estranho que pareça, o PSDB é muito melhor do que qualquer bolsomínion.

Simplesmente porque o bolsomínion está abaixo da linha mínima de humanidade.

Aliás, Bolsonaro é tão burro que chama a Coronavac de “Vacina do Dória”, fazendo campanha para seu adversário.

.oOo.

Este é mais um pitaco político do:

 

Marinho, Cruzeiro, Bolsonaro e o gerenciamento de crises

Marinho, Cruzeiro, Bolsonaro e o gerenciamento de crises

O Santos elimina o Boca Juniors da #Libertadores2020. Ao final da partida, seus jogadores cercam o diretor de futebol e, felizes, comemorando a vitória, pedem um pix. Eles se esforçaram muito no jogo, foram brilhantes. Os salários estão atrasados há dois meses.

Corta.

Após perderem para o último colocado Oeste, os jogadores do Cruzeiro saem irritados de campo. Jogaram mal, alguns foram displicentes. Vão ficar na Série B. E deram entrevistas falando mal do clube e dizendo que ninguém imagina o que é o ambiente onde têm que viver. Os salários estão atrasados há dois meses.

O prefeito Sebastião Melo compra 25 mil doses preventivas de cloroquina do governo federal. É o PMDB. Deve ser pagamento de um favor, algo assim.

Falta oxigênio em Manaus. Pacientes com Covid são mandados para outras cidades, que não querem recebê -los. Belém está agitada com a provável chegada de manauaras doentes.

E Bolsonaro, o palhaço idiota, o grosseiro e nojento pilantra cretino eleito democraticamente por milhões de ignaros? É tanta coisa que teria a dizer do genocida que nem sei por onde começar. Gerenciamento de crise…

Me faz um pix?