Terra x Tasso na CPI

Terra x Tasso na CPI

O senador Tasso Jereissati resumiu tudo ao questionar Osmar Terra, o deputado que orientou o genocida:

Tasso: O senhor previu que a pandemia mataria menos que a H1N1?
Terra: Correto.
Tasso: Que haveria cerca de 900 mortes apenas?
Terra: Sim
Tasso: Falou que a pandemia acabaria em junho ou julho de 2020?
Terra: Sim.
Tasso: Falou pra esquecer vacina, porque não teria a tempo?
Terra: Nunca tinham desenvolvido vacina no surto pandêmico. Conseguiram nessa.
Tasso: E que não haveria segunda onda no Amazonas?
Terra: Eu disse que era pouco provável.
Tasso: Não está na hora de o senhor parar de dar opinião?

Osmar Terra previu um Inter arrasador em 2021

 

As mentiras de ontem à noite

As mentiras de ontem à noite

A fala de ontem de Bolsonaro me deixou mais uma vez perplexo. Desta vez não foi pela vulgaridade nem pela dificuldade que ele tem de ler, mas pelas mentiras mesmo. Foi como se ele achasse que poderia apagar todas as suas falas no cercadinho, nas entrevistas, nos domingos, no Twitter, no YouTube, nos discursos oficiais (gripezinha), etc.

O pior é que acho que o gado que o apoia talvez acredite nele. Talvez agora pense que, “debaixo dos panos, ele sempre quis a vacina”.

Uma vez, recebi de um bolsonarista religioso um artigo que dizia que a vacina era feita a partir de fetos abortados. Quando rebati, o cara quis brigar comigo, me ofendeu e tal. Então, acho que a maioria do gado está disposta a engolir tudo. Só espero que alguns se desgarrem.

Para guardar: os deputados gaúchos que votaram pela libertação do miliciano Daniel Silveira

Para guardar: os deputados gaúchos que votaram pela libertação do miliciano Daniel Silveira

Você, gaúcho, que vota em Bibo Nunes, Danrlei, Jerônimo Goergen, Marcel Van Hattem, Pedro Westphalen, Osmar Terra e outros notórios cretinos e imbecis, é um deles. Leiam bem os nomes dos deputados e dos partidos das duas colunas.

Sobre o lançamento de Haddad como candidato à presidência…

Sobre o lançamento de Haddad como candidato à presidência…

Sobre o lançamento de Haddad como candidato à presidência, digo que todo partido tem direito de apresentar seu candidato, mas não é uma atitude inteligente neste momento.

Creio que a oposição deveria antes pensar em construir uma chapa viável de destronar Bolsonaro. Fazendo como fazem habitualmente, cada partido contribuirá para a fragmentação, a qual pode deixar o segundo turno para duas candidaturas de direita ou, pior, permitir uma tranquila reeleição.

Mas o pessoal não aprende com os erros. Os egos, sabem?

Eu penso numa frente para derrotar Bolsonaro e esta não precisa ser só da esquerda. Hoje, nós não derrotamos ninguém. Hoje, vamos pra segunda divisão. E se achando…

.oOo.

Gosto de falar daquilo que vivencio ou entendo e sou um mero chutador em política. Deveria falar só de literatura, jornalismo e de música (como ouvinte), só que o mundo está cheio de diletantes.

Não entendo a necessidade de discutir o passado e de projetar os egos para o futuro!

A Frente Ampla fez 50 anos no Uruguai e a Geringonça segue em Portugal. Mas aqui há EGOS ENORMES que são imiscíveis. E seguidores que são imiscíveis. E pessoas que defendem sistemática e sem crítica partidos e pessoas.

É como discutir algo com alguém que responde “Siga-me, eu tenho a solução e sei como devemos agir”.

Quando leio os argumentos para não fazer uma frente, me dá vontade de fugir. Aliás, é o que vou fazer agora.

.oOo.

Celso Santos Carvalho escreveu e eu assino embaixo e por todos os lados:

Construir uma frente popular começa por: (1) querer; (2) juntar os partidos que se opõem ao fascismo e à direita golpista tucana; (3) elaborar um programa mínimo, que deixe de lado as divergências e concentre-se nos consensos; (4) querer mais ainda; (5) discutir esse programa com a sociedade, movimentos sociais, coletivos periféricos e não só com os lideres partidários; (6) melhorar o programa mínimo; (7) combinar publicamente como os partidos governarão juntos; e (8) só depois de tudo isso escolher a candidata ou candidato, preferencialmente por meio de prévias abertas a todos os eleitores. Começar pelo item 8 é o melhor jeito de dar tudo errado.

A esquerda levará décadas para voltar (e como eu gostaria de não ter razão)

A esquerda levará décadas para voltar (e como eu gostaria de não ter razão)

Quando começou a crise do governo Dilma, eu disse que levaria duas décadas para que algo semelhante à esquerda voltasse ao poder. Mas não disse só isso.

Disse também que os afagos aos Evangélicos — afagos que quase todos os políticos amavam e amam fazer — logo implantaria uma vulgaridade sem precedentes em nosso país. Que haveria ataques à cultura e à laicidade. Que essa gente era bagaceira demais.

Eu trabalhava num jornal de meio de esquerda e quis criticar a presença de Dilma e Lula na inauguração de um templo evangélico. Fui vetado. Meus colegas jornalistas riram. Eu era o ateu apocalíptico, um sujeito meio louco perto da tolerância religiosa bacana deles… Eu dizia que também era tolerante — e sou mesmo — só que não aceitava a religião aliada à política. Mas estava virando uma figura folclórica.

Só que eu falava sério. Hoje, estou detestando pensar que tinha razão. Acho melhor se refugiar nos amigos, nos livros e na música. Lira presidente do Congresso? Um cara apoiado pelo governo genocida e que até esganou a mulher? O impeachment está cada vez mais longe? Gente, qual é a surpresa?

.oOo.

No Fronteiras do Pensamento 2019, o psicanalista italiano Contardo Calligaris contou que seu pai protegeu vítimas do fascismo italiano e combateu na luta armada, correndo risco de vida e fazendo o mesmo com sua família. Também escondeu pessoas em sua casa e auxiliou um monte de gente, na maioria comunistas.

Quando o adolescente Contardo, orgulhoso de seu pai, perguntou-lhe porque ele fizera isso, esperava uma resposta altamente politizada. Mas ficou decepcionado (e irritado) com a resposta:

— Sabe, é porque os fascistas são muito vulgares.

Um juízo estético?

Acho que, hoje, no Brasil, muita, mas muita gente concorda com o Sr. Calligaris pai.

Continuando, Calligaris filho mostrou, então, duas imagens que, para ele, representam a vulgaridade fascista. Numa delas, crianças com arminhas, admiradoraszinhos de Mussolini, num protótipo perfeito da vulgaridade. Não preciso dizer a relação imediata que ele, voluntariamente, provocou em nós na plateia.

E, na outra, um grupo de fascistas queimando livros. No meio do grupo, um deles ri diretamente para a câmera. “Este cara com um chapéu e que está rindo. Eu acho que está rindo porque acha isso engraçado. Não só o que tem de profundamente vulgar é que ele está achando engraçado o que acontece, mas ele está supondo que nós olhando para este quadro estejamos achando isso engraçado também. Ele está imaginando que a gente vai rir com ele. Eu acho muito interessante isso. Eu gostaria de salientar que os fascismos teriam menos chances de existir – fascismo ou totalitarismos que sejam – se nós todos tomássemos uma atitude rigorosa de não rir das piadas idiotas. Nunca. Não tem nada que atrapalhe tanto um cretino quanto o fato de que, quando ele diz uma piada, ninguém acha engraçado.”

O pastorzinho de merda

O pastorzinho de merda

Ao menos uma vez por dia, alguém vem me ofender no Twitter. Sempre fico meio assustado porque costumo levar a sério o que dizem. Depois dou risadas, pois, na verdade, as ofensas são sempre dirigidas ao Ministro da Educação Milton Ribeiro.

Eu sempre respondo com um #ForaBolsonaroGenocida, o que deve deixar o ofensor desconcertado por alguns segundos. Agora já posso responder com um #BolsonaroGenocidaComedorDePãoComLeiteCondensado.

Só que hoje me chamaram de pastorzinho de merda. E eu adorei! Ri alto!

Fico preocupado. Será que estou me acostumando a apanhar, mesmo que por tabela?

Os piores presidentes

Os piores presidentes

O pior presidente da história dos EUA está se despedindo. E o pior brasileiro está pedindo para acompanhá-lo. Hoje, o imbecil Ernesto Araújo confirmou que a China está complicando o envio de insumos para vacinas em razão das declarações de filhos do presidente e do próprio. Do próprio presidente e de Ernesto, podem escolher. E há Manaus, há aquele Ministro da Saúde e todo o genocídio. E os dribles da Índia e a logística….

Acho que chega. É pressionar pelo impeachment. Não dá mais. Se isso não é crime de responsabilidade, sei lá o que é. As pedaladas da Dilma não são nada perto deste anunciador da morte.

Sartori x Leite

Sartori x Leite

Eduardo Leite está atacando de apresentador do Show da Vacinação no RS. Vacinou cinco. Não tem talento pra coisa, mas está do lado certo e quer seu ganho político, claro.

Fico imaginando se o governador fosse o peemedebista Sartonaro. Acho que estaríamos chafurdando na mesma cloroquina do prefeito peemedebista Melo.

Ou seja, por mais estranho que pareça, o PSDB é muito melhor do que qualquer bolsomínion.

Simplesmente porque o bolsomínion está abaixo da linha mínima de humanidade.

Aliás, Bolsonaro é tão burro que chama a Coronavac de “Vacina do Dória”, fazendo campanha para seu adversário.

.oOo.

Este é mais um pitaco político do:

 

Porto Alegre e seus pobres que votam em ricos

Porto Alegre e seus pobres que votam em ricos

Tive que ir a um cartório na Marquês do Pombal e voltei caminhando pelo bairro Moinhos de Vento.

Vi que lá — Parcão e redondezas — só tem propaganda da direita mais extrema. Gente apadrinhada pelo Bibo Nunes, gente do Novo…

Quando chego na Bamboletras, leio no Matinal Jornalismo a confirmação daquilo que penso há anos: uma pesquisa feita em mapas eleitorais garantindo que são os bairros ricos quem comanda as viradas no poder em Porto Alegre.

E o pessoal dos bairros pobres — sem formação e noção política — apenas segue os ricos.

Enquanto isso, a senadora comunista Carolina Cosse ganhou as eleições para a prefeitura de Montevidéu. Eles terão uma intendenta bem vermelha. Só que lá, a direita raramente vence entre os mais pobres.

É outro grau de escolaridade, outro nível de informação.

Vote no PUM.

Nossa tragédia (1): da mentalidade censora

Nossa tragédia (1): da mentalidade censora

Trabalhei por oito ótimos anos num veículo progressista. Aprendi muito. Adorava trabalhar lá, as pessoas foram sempre muito éticas e eu me orgulho de minha vasta produção naqueles anos, apesar de achar que o jornal pecava pela falta de ousadia. Bem, tenho histórias que, penso, devem se repetir na maioria das hoje combalidas trincheiras da esquerda.

Sou um cara mais para o intuitivo do que para o analítico, então recebo e reajo a flashes. Ou, melhor dizendo, um dia tiro uma foto, outro dia outra, e assim vou formando meu mosaico de impressões.

Vamos a três fotos que me ocorreram hoje.

(1) Um colega diz que não devemos publicar uma reportagem sobre um novo método de produção de carne porque deixaríamos irritados os veganos e eles, parte de nosso público, poderiam nos linchar. Então fiquei sabendo que não podíamos falar de carne.

(2) Uma reportagem que coloquei para provocar foi encarada como se eu fosse um ET. Ela dizia que o gaúcho fazia menos exames de toque retal do que os homens de outras unidades da federação porque não a coisa não seria lá algo muito masculino. Era uma pesquisa de boa fonte, séria e médica. Como temos uma editoria de Geral, não vi problema, mas houve gente dizendo que aquilo não era pra nós. OK, não devemos rir ou explicitar nossos lados mais ridículos, mesmo que sejam verdadeiros.

(3) Fui advertidíssimo e me senti ameaçado por expor NO MEU BLOG uma opinião independente. Ela teria o condão de chamar as feministas contra o jornal. Sim, muitas delas disseram que iam abandonar o jornal por minha causa. Alguém acredita nisso? Em resposta, devo dizer que Porto Alegre é um ovo e que fui algumas vezes cumprimentado na rua por feministas em razão do mesmo texto. Ou seja, a rejeição não era consensual.

Fiquei puto ao notar novamente um respeito sem sentido pela militância, sem interessar quão tola seja.

Critico uma versão específica da política identitária que é performática em suas demonstrações de consciência social. Não gosto particularmente porque é um grupo muito inclinado a censurar, a atacar em bloco indivíduos. Odeio isso. Ao calar seus inimigos políticos, eles calam também o dissenso dentro da própria esquerda e é este dissenso que sempre fez a esquerda ser vibrante intelectualmente. São os questionadores que evitam que a ideologia se fossilize porque nos obrigam a repensar. Mas suas vozes foram caladas.

Angela Nagle

É impressionante como essa mentalidade censora se espalhou. O pior é que as pessoas nem se dão conta dela e de como a censura e o constrangimento causado pelos “erros” de gente bem intencionada — e, fundamentalmente, de mesma ideologia — resultaram na colocação da esquerda em um gueto no qual esta passou apenas a falar para si mesma e não com a sociedade. Pior, com uma linguagem toda própria, muitas vezes incompreensível não somente para a população, mas para quem estivesse desinformado. Ah, as vanguardas… Nós contribuímos demais para a ascensão da direita, que deve permanecer por décadas com boa parte do poder.

Enquanto isso, estávamos preocupados com a apropriação cultural, com o lugar de fala, com as bolhas e não com as coisas que estavam realmente no imaginário popular. Nós adubávamos a segmentação para satisfazer certos grupos, gastávamos energia com as polêmicas do dia e com as malditas audiências públicas sobre porra nenhuma e não com avanço dos evangélicos nas periferias, com o recuo da mentalidade científica, com o próprio papel das redes e com aquilo tudo que acabou viabilizando o inferno bolsonarista.

Fico triste com minha falta de força. Sinto-me em parte responsável por nossa tragédia, apesar de ter passado anos dizendo que o maior perigo desse país estava no fundamentalismo religioso e na desgraça que é nossa educação. Mas fui vencido de todas as formas.

Uma bomba, por favor

Uma bomba, por favor

Eu acabo de ver Bolsonaro comendo um lanche em Brasília. A comida cai de sua boca e ele a joga de volta pra dentro num movimento que me levaria à loucura se fosse realizado por um de meus filhos depois dos 5 anos de idade.

E eu penso que, quase dois anos depois, ainda não acredito que um bando de idiotizados pela religião e pela falta de educação votaram neste cara e ele ganhou a eleição. Eu acabo de pensar: “Ele é mesmo o presidente? Sim, é. “.

Meu deus, parece uma comédia ruim.

E a reunião mostrada ontem demonstra que um idiota cerca-se de outros, concentricamente, em níveis cada vez mais densos de idiotia, formando um muro de estupidez aparentemente inexpugnável.

Mas deve haver uma bomba para explodir isso. Nem que fiquemos cobertos de merda por um tempo.

Este é mais um recado do PUM — Partido Utópico e Moderado.

A posição do PUM sobre as queimadas

A posição do PUM sobre as queimadas

Primeiro Bolsonaro rejeita (esnoba) os recursos alemães e noruegueses para a Amazônia, depois diz que lhe faltam recursos para estancar os incêndios-queimadas. Ele tinha que ser impichado logo, mas, sabemos, para tanto falta a tempestade perfeita que passaria pelo Congresso, imprensa e opinião pública. Num Congresso coalhado de baba-ovos e evangélicos imbecis, nenhum impeachment passa.

* Não houve engano: quem leva a religião para a política é imbecil e canalha.

Ontem à noite, enquanto a Amazônia ardia, assisti a um maravilhoso recital com o notável violinista Bernard Zinck e a não menos pianista Lucia Barrenechea ali no IA-Ufrgs.

No repertório, a Sonata Nº 3 para Violino e Piano de Brahms, a Sonata de Poulenc e a Sonata Espanhola de Turina como aquecimento.

A Universidade resiste como pode ao desgoverno federal.

(Peço desculpas pela nota sem graça, é que tá difícil ter graça neste país).

Eleições para presidente: a opinião do PUM

Eleições para presidente: a opinião do PUM

Existe um grupo nada pequeno ou desconsiderável de pessoas que é anti-bolsô e anti-PT. Eles dizem uma verdade matemática: quem votar em Bolsô, estará elegendo Haddad. E eu completo com o axioma matemático mais elegante e geral:

“Quem votar em Bolsô estará elegendo o candidato que for com ele para o segundo turno”.

Estará elegendo qualquer um deles, dada a JUSTA REJEIÇÃO a Bolsô, um escroto inaceitável. Na circunstância atual, Haddad. Em um mundo ideal, eu gostaria de sair desta polarização, fazendo com que o Coisa Ruim não fosse nem para o segundo turno e que pudéssemos discutir finalmente política.

E a culpa do que está ocorrendo nem é de Bolsonaro. Ele deveria ser tão folclórico e irrelevante quanto Cabo Daciolo, mas milhões de anencéfalos políticos o alçaram ao posto de mito e devolverão o poder ao PT. E vão espernear como fazem os bebês quando lhes escapa a chupeta.

Meu voto será para garantir o segundo turno. Provavelmente, votarei como um ladrão que digita a senha de outrem.

Mais um toque político do PUM

Mais um toque político do PUM

PUM - Partido Utopico ModeradoComo disse o professor e guru Moysés Pinto Neto, “a prioridade em 2018 tem que ser o Poder Legislativo. Coletivos têm que usar a Internet pra colocar gente no Congresso”.

Não esqueça: para não falar em quem teve sua campanha financiada por empresas que depois cobram decisões favoráveis a seus interesses, lembro que toda a bancada evangélica do Senado votou contra os trabalhadores. E a Câmara dos Deputados não é nem um pouco diferente. Então, temos que pensar se devemos reeleger essa gente de cristo e das empresas.

Como estamos vendo, a Câmara, o Senado e o Executivo estão pouco se importando com a opinião pública. Estão total e intencionalmente alheios de uma população votante que sempre elege o pessoal da TV, os bispos, e quem tem propaganda cara, normalmente paga pelos financiadores a quem servirão. O eleitor, coitado, pode ser esquecido por quatro anos e religado ao final dos mesmos.

A renovação do Congresso é algo que deve ocorrer e, creio, é mais importante do que o próximo presidente.

Mas só se fala na eleição presidencial. Não tenho ilusões, mas gostaria que a Internet pudesse auxiliar o país na perigosa eleição de 2018.

Michel Temer chegou à pior taxa de avaliação de um presidente da República, desde o fim da Ditadura Militar. Ele é avaliado como ótimo ou bom por apenas 5% dos brasileiros e 70% o consideram ruim ou péssimo. O recordista anterior era José Sarney, que chegou a 7% de aprovação em 1989. Em segundo estava Dilma, com 9% em 2015. Mas ele está cagando pra nós. Nada o atinge. Faz o trabalho que as empresas pediram e sorri.

Acho que chegou a hora de parar com o #ForaTemer para dar atenção à gravidade da PEC 241, por exemplo

Acho que chegou a hora de parar com o #ForaTemer para dar atenção à gravidade da PEC 241, por exemplo

Ontem à noite, enquanto você finalizava seu fim de semana, ocorria, em Brasília, um banquete oferecido por Michel Temer para seus aliados. Estavam lá cerca de 200 deputados com suas companheiras. Espumantes foram servidos em taças de cristal e o prato principal foi a PEC 241, cujo objetivo é o de limitar por 20 anos os investimentos em diversas áreas como saúde, educação e agricultura familiar. Vejamos o que mudaria.

banquete-temer-pec-241

Enviada em junho pela equipe de Michel Temer à Câmara dos Deputados, a proposta prevê que tais gastos não poderão crescer acima da inflação acumulada no ano anterior. Atualmente, os gastos com saúde e educação são vinculados à evolução da arrecadação federal. Algo bem razoável, porque a melhoria da educação e da saúde é elemento básico do desenvolvimento e hoje a situação é crítica nestas áreas. O governo determina, deste modo, que a coisa não vai melhorar. Por 20 anos. A 241 simplesmente ignora uma eventual recuperação da situação econômica do País.

A vinculação à arrecadação — que está na Constituição de 1988 — expressa conquistas sociais obtidas em décadas de lutas e que nossa elite quer pulverizar de uma só vez. A ideia expressa na Constituição tem o objetivo de fazer com que as áreas de educação e saúde — áreas fundamentais, não? — cresçam juntamente com o país, independentemente do governo que esteja no poder.

Dessa forma, o Novo Regime Fiscal proposto pelo governo Temer retira da sociedade e do Parlamento a prerrogativa de determinar anualmente o orçamento destinado a essas áreas, que só poderá crescer conforme a variação da inflação, não conforme a arrecadação. Talvez assim sobre mais dinheiro para investimentos, dizem eles, talvez referindo-se à corrupção.

A 241 é tida como uma das principais razões da aliança entre PMDB e PSDB. A proposta está afinada com a política de austeridade defendida pelos tucanos. E seria interessante para eles, que almejam o Planalto em 2018, vê-la aprovada sem ter o impopular ônus de serem os responsáveis por ela.

Autor da medida, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, classificou a PEC 241 de “dura” e fim.

O tema é urgente para o governo. Afinal, as próximas eleições são só daqui dois anos. É o momento para aprovar tudo o que for impopular. Aliado do governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), marcou para hoje (10/10) a primeira votação da PEC 241 no plenário da Câmara.

Temer e Maia no festim de ontem à noite.
Temer e Maia no festim de ontem à noite.

Para ser aprovada, a PEC precisa passar por duas votações na Câmara e também no Senado. A intenção do governo é liquidar as quatro votações ainda este ano. Como se trata de alteração constitucional, a aprovação depende do apoio de três quintos dos votos na Câmara e no Senado, ou seja, 308 deputados e 49 senadores.

Nos bastidores, a PEC 241 é tratada como uma espécie de teste. Se o governo não for capaz de aprová-la, também não conseguirá aprovar a reforma da Previdência, tampouco mudanças na legislação trabalhista.

E o pessoal tem falado pouco nisso. Chegou a hora de parar com a bobagem do Fora Temer — ele não vai cair mesmo — e dar atenção à realidade.

.oOo.

O deputado Elvino Bohn Gass fez um vídeo bem claro explicando o que teria acontecido se a PEC 241 já existisse. Concordo com tudo o que ele diz, excetuando-se a utilização do termo “maldade”. Não é maldade, é apenas a visão de nossas elites.

https://youtu.be/6bFlUYYXp8A

.oOo.

E o imposto sobre grandes fortunas… Nada, né?

pec-241

.oOo.

Este é mais um recado de nosso partido, o PUM.

PUM - Partido Utopico Moderado

Jorro matinal

Jorro matinal

42 bilhões desviados
— 1% do PIB —
de uma só empresa

como se fossem adestrados
os políticos de Brasília
sentam na mesa apenas
desejosos de cheirar
os cus uns dos outros

o que pensa este?
do que necessita aquele?
como acomodar
meu interesse?

não pensam
no sistema de ensino
no genocídio dos indígenas
na juventude negra das periferias
na mulher morta
no aborto
nos LGBT
na reforma

pensam
em quem lhes financia
em consumir direitos
no agronegócio
em criminalizar movimentos
em consumir o pré-sal
em deus, ou melhor,
na igreja

querem adiar
o enfrentamento com o ambiente
querem evitar
a Polícia Federal
querem
que o resto se foda

os paleolíticos brasileiros
querem chupar o pré-sal
são eles os dinossauros
que vão nos aquecer e sufocar
mas bem poderiam receber o óleo
— negro e quente —
em seus rabos

eles estão reunidos
e sorriem balançando suas caudas
preparando
os próximos 42 bilhões

PUM - Partido Utopico Moderado