As gravuras noturnas de Martin Lewis, o mestre esquecido de Edward Hopper

Do Cultura Inquieta

Martin Lewis teve algum sucesso no início de sua carreira, mas a Grande Depressão de 1929 o relegou a um segundo plano e ele passou as últimas três décadas de sua vida apenas ensinando a outros as técnicas de gravação.

Entre esses “outros” estava o grande Edward Hopper, que se apaixonou por seus personagens e paisagens  noturnas e solitárias. Apesar disso, Lewis morreu esquecido como artista em 1962, sendo considerado apenas um professor de arte aposentado. Estranhos caprichos do destino quiseram que a história escolhesse Hopper para ser célebre, mas o fato é que Martin foi seu mentor e Hopper provavelmente nunca tivesse sido Hopper sem Lewis.

Consciente disso, o pintor disse em sua própria biografia que foi a partir do ilustrador australiano que aprendeu o básico da gravura.

Lewis começou a mostrar seus trabalhos em 1915, usando uma prensa para fazer impressões. Suas gravuras na época eram admiradas e compradas pela elite da Costa Leste. Hopper foi a seu encontro e perguntou se poderia estudar com ele a fim de aprender as técnicas. Com Lewis, Hopper passou a também usar a noite da cidade que nunca dorme como inspiração.

No entanto, anos depois, enquanto preparava uma exposição individual em Pittsburgh, no auge de sua fama, Hopper paradoxalmente rejeitou a influência do trabalho e do aprendizado com Lewis: “Lewis é um velho amigo meu”, disse, rejeitando o valor profissional em seu trabalho. “Quando eu decidi gravar, ele ficou feliz em me dar alguns conselhos sobre processos puramente mecânicos”.

Eles obviamente não eram mais amigos na época. Tiveram problemas, pois era complicado para Lewis ser testemunha do enorme sucesso de Hopper.

Porém, quase 50 anos após sua morte, uma gravura de Lewis, “Shadow Dance”, foi vendida por preço recorde para o artista. Em 2019, um colecionador pagou US$ 50.400 num leilão em Nova York. Ou seja, agora ele começa a receber o merecido reconhecimento que infelizmente não obteve ver.

De sua parte, Hopper sempre considerou a gravura o meio que lhe permitiu explorar outras áreas como artista e muitas de suas gravuras se tornaram mais tarde algumas das pinturas que o tornaram famoso.

4 comments / Add your comment below

Deixe uma resposta