Bom dia, Miguel Ángel Ramírez (com os lances de Inter 0 x 0 Always Ready)

Bom dia, Miguel Ángel Ramírez (com os lances de Inter 0 x 0 Always Ready)
É, Taison, pensa que é mole? | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Não sei é ele o cara certo para isso, mas a mudança que Miguel Ángel Ramírez está tentando implantar é necessária. Esta é apenas a MINHA opinião. Sim, sei, não é muita coisa.

Eu preferia ser mais jovem, só que realmente vim de outra época e não suporto ver meu time medroso, reativo, jogando por uma bola, como fazíamos desde Argel até Abel. Marcávamos um gol e corríamos para “fechar a casinha”, ganhando por diferença mínima ou deixando o adversário empatar ou virar ao chamá-lo para o nosso campo. E gosto de futebol, não somente de resultados.

MAR não me parece ser o cara para isso, mas está tentando. Não ganhamos o Brasileiro por vários pontos perdidos ao longo do campeonato, mas os mais claros foram aqueles não ganhos contra o Corinthians, quando vimos um time acostumado a se fechar sendo obrigado a atacar pela proposta de jogo do adversário. Lembram? Quase perdemos o jogo no primeiro tempo. E o que estávamos decidindo era uma taça que não vemos há 41 anos. Agora são 42.

O Corinthians não é muito melhor do que o Always Ready. Nem o Sport é.

O problema maior não é a intenção de Alessandro Barcellos de bancar a ruptura — acho que isto é correto –, mas sim a falta de dinheiro. Lomba e outras ruindades deveriam estar longe do Beira-Rio, só que não conseguimos contratar chegando aos outros clubes com o pires na mão. Também os jovens estão vindo MUITO mal formados. Peglow, Caio, Johnny, Roberto, Zé Gabriel e outros não respondem, deixando jogadores de postura duvidosa, como Edenílson, Dourado e Galhardo, surfando em suas titularidades.

O caminho será um longo e difícil e espero que Barcellos não recue. É claro que eu chamaria Bielsa ou Guardiola e contrataria um monte de caras bons, mas nego-me a pedir cabeças quando é impossível contratar e mesmo dispensar — pois dispensar também é caro.

Acho que o período que vem pela frente não nos levará à segunda divisão, só que, concordo, finalizar 20 vezes e perder 5 gols cara a cara num joguinho contra o Ready é para irritar mesmo. E quem toma na cabeça, no Brasil, é o técnico, não o Galhardo e outros.

Agora o Inter vai jogar só contra nordestinos: Sport (C), Vitória (F), Fortaleza (F), Vitória (C) e Bahia (F).

Se não aprender a jogar, talvez aprenda a votar.

Bom dia, Miguel Ángel Ramírez (com os melhores lances de Olímpia 0 x 1 Inter)

Bom dia, Miguel Ángel Ramírez (com os melhores lances de Olímpia 0 x 1 Inter)

O Inter voltou a jogar mal, mas venceu novamente o péssimo Olímpia, agora em Assunção. Foi 1 x 0 — golaço de Yuri — e agora pega o igualmente fraco Always Ready, em Porto Alegre, para terminar a fase de grupos em primeiro lugar. Será uma classificação sem brilho e com pouco futebol, uma classificação triste, apertada e entremeada por atuações ruins no Campeonato Gaúcho. O jogo contra os bolivianos será na próxima quarta-feira (26/05), às 19h. Antes disso, devemos perder o título gaúcho para o Grêmio, na Arena, às 16h deste domingo (23/05), contra um time que atua com 4 jogadores que farão 36 anos no segundo semestre, dois destes de quase 100 Kg, sendo que ambos não aguentam uma partida inteira e um deles brinca de fazer gols na gente. Ou seja, tudo indica um domingo medonho para nós, colorados.

Após perder um gol que não costuma errar, Yuri marcou um golaço em um chute difícil | Foto: Ricardo Duarte – SC Intarnacional

Como disse um amigo, o Inter é aquele pirralho de bairro que eventualmente bate num amiguinho aqui, noutro ali, mas que invariavelmente apanha do valentão do pedaço.

Iniciamos bem os dois tempos, mas, após 10 minutos, voltamos à lenga-lenga da lentidão. Taison ainda está desambientado e não faz a esperada diferença. Lucas Ribeiro dá mais segurança à defesa do que Zé Delivery e nem vou dizer que o gol nasceu em jogada de Moisés, complementada por ótimo passe de cabeça de… Marcos Guilherme. OK, hoje daremos uma folga a MG, porém não a Lindoso. Este entrou e logo cometeu uma falta que por milagre não deu o empate ao Olímpia. E, pô, Yuri, temos que parar com esse negócio de receber cartões bobos. Pra que tirar a camisa? Não sabe que dá amarelo?

Tarefa árdua | Foto: Ricardo Duarte – SC Internacional

A tarefa de Miguel Ángel Ramírez (MAR) é complicada: ele precisa mudar um modelo de jogo que existe no Inter há um bom tempo com o agravante de que o clube não tem condições financeiras de suprir as carências do grupo. Sim, prefiro meu time propondo o jogo ao esquema reativo de Odair-Abel. Mas gostava muito da rapidez do ataque do segundo filho de Adão e Eva, coisa que MAR não está obtendo. O time do MAR espera e espera que os espaços apareçam. Ainda bem que espera com a bola no pé, só que a lentidão do time irrita. Há duas formas de se abrir espaços, (1) com deslocamentos e bons passes para a frente e (2) à dribles, também para a frente. Parece que a segunda é proibida no Beira-Rio. As vitórias pessoais só ocorrem em jogadas de Yuri e, pasmem, de Moisés. É claro que o esquema geral é o de tocar a bola, mas e aquele drible oportuno?

E vamos ao Gre-Nal de domingo. Eu estou certo da derrota. Acho que a ESPN exagerou abaixo. Gigantesca foi a consequência.

Bom dia, Miguel Ángel (com os maravilhosos lances do delivery de ontem)

Bom dia, Miguel Ángel (com os maravilhosos lances do delivery de ontem)
O teimoso MAR | Foto: Ricardo Duarte

O Inter pegou disparado a chave mais fácil da Libertadores. Táchira, Always Ready e o atual Olimpia são times realmente muito fracos. Só que não estamos conseguindo nos destacar. Isto acontece em boa parte por culpa de Miguel Ángel Ramírez (MAR) que, não obstante as boas ideais táticas, insiste em escolher jogadores inferiores a seus reservas imediatos. E justo ontem Zé Gabriel abriu caminho para a virada dos venezuelanos no Táchira.

Zé Gabriel é uma escolha incompreensível desde Coudet. Dizem que ele sabe sair jogando, que tem bom passe, que é hábil. O que eu não entendo é porque ele dá tantas roscas, botes errados e erra tantos passes. O que ele fez ontem foi disparate técnico. O que ele fez foi algo para não vestir mais a camiseta do clube. Vejam abaixo como ele lança o jogador do Táchira para empatar um jogo que ganhávamos.

Para completar, seu reserva é Lucas Ribeiro, um zagueiro comprovadamente muito mais seguro do que Zé. Como entender?

Outra coisa incrível é a escalação de Marcos Guilherme, jogador cujo tratamento para depressão parece que tem que ser feito dentro de campo, sob os olhos da torcida. Que sorte que ele tem de estarmos com o estádio vazio! Já imaginaram a vaia que MG levaria cada vez que seu nome fosse anunciado? Bem, ele se mataria! Acho melhor mandar ele logo para um psiquiatra.

E há mais. O Inter perdeu o Brasileiro do ano passado por várias razões, mas o motivo mais claro foi aquele jogo contra o Sport. Muita gente lembra de Uendel falhando, mas esquece do segundo gol do Sport, quando Lomba abdicou de ir na bola porque achou que ela tinha saído pela linha de fundo. Se saiu ou não é coisa que um goleiro deve ignorar até que o juiz apite. Lomba ficou olhando e o Sport fez o segundo gol. Bem, ontem ele achou que a jogada estava resolvida mesmo com Edenílson erguendo os braços, demonstrando que a bola era dele. Lomba saiu trotando e, quando viu, o cara do Táchira já tinha passado e ele cometeu o pênalti. Edenílson também errou, mas o goleiro tem que vir rasgando.

Não, é muita cagada junta, seu MAR. Falta orientação e tesão.

Perdemos muitos gols mesmo jogando mal, estávamos levando a vitória contra um time ruim, mas as tuas escolhas nos mataram. Outra ruindade absurda é Moisés. Mal preparado fisicamente, morreu no segundo tempo, mas não tem reserva. Só se salvaram Cuesta, Galhardo e Taison. O resto…

Se tivesse torcida no estádio, é provável que tu, MAR, estivesse na marca do pênalti.

Abaixo, a virada surreal de ontem, conforme expressão da ESPN: