Inter e Flamengo tem os mesmos jogos até o final do Brasileiro 2020

Inter e Flamengo tem os mesmos jogos até o final do Brasileiro 2020

Uma incrível coincidência: Inter e Flamengo jogarão contra os mesmos adversários até o final do campeonato.

Faltam 7 jogos para o Inter (59p, 17v) e 8 para o Flamengo (55p, 16v). O jogo a mais do Flamengo é contra o São Paulo.

Dito de outra forma: os dois jogam contra os mesmos times, à exceção do SP que já jogou contra o Inter, OK?

A diferença a nosso favor é que jogamos 5 em casa e 3 fora.

A diferença em favor deles é que o Grêmio vai entregar pra eles e que o confronto direto é no Rio.

Temos que torcer pro Vasco estar livre do rebaixamento e facilitar pra nós também. Ou estar rebeixado definitivamente.

Bom dia, Abel (com os gols da demolição de ontem)

Bom dia, Abel (com os gols da demolição de ontem)

O Inter demoliu o velho Morumbi ontem à noite. Li por aí que nós tínhamos o melhor atacante do Brasil e ele se lesionou, então entrou o melhor atacante do Brasil e ele se lesionou, então entrou o melhor atacante do Brasil. Espero que este não se machuque. 5 x 1 no São Paulo, chegando à liderança após 7 vitórias consecutivas, não é todo dia.

Agora, vamos enfrentar nosso grande problema de 2020: o Grêmio. O tradicional adversário não é vencido há 11 Gre-Nais e nos ganhou a maioria destes. Para piorar, eles são Os Reis dos Empates. Dos 30 jogos que fizeram no Brasileiro, empataram 15. É tanto empate que eles perderam só 3 das 30. Ou seja, dá pra dizer que o Grêmio não perde e tem dificuldades para ganhar. Mas de nós eles ganham.

Abel arrumou o Inter. Mesmo sem Guerrero, Saravia, Boschilia, Moledo e Galhardo — todos jogadores fundamentais –, o time tem mantido um padrão muito alto. Para tanto, houve um espetacular crescimento de jovens como Yuri, Praxedes e Lucas Ribeiro, de experientes como Edenílson, Patrick, Moisés e Cuesta, de ascendentes como os eficientes Caio Vidal e Peglow e de craques como Dourado.

Sorte? Não! Capacidade de observação de Abel que, irritado pelas críticas que recebeu de só usar medalhões, olhou atentamente os jovens e a base.

Não me incomodo com a vingança de Abel. Ela é doce e não queria estar na pele do Alessandro Barcellos. Eu também contrataria Miguel Angel Ramírez. Afinal, o início de Abel foi uma tragédia e tudo indicava que ele morreria melancolicamente abraçado no sem-título Marcelo Medeiros. Mas o espanhol está contratado e a competência de Abel colocou todo mundo numa sinuca de bico.

Bem, eu não fui eleito presidente, minha função é de pagar em dia a mensalidade de sócio — e ela está em dia. Desta forma, apenas digo: “Resolve da melhor maneira, Barcellos! Pior é resolver perrengue de time que não ganha.”

E um brinde ao Spica!

E, Abel, que beleza! Bom Gre-Nal pra nós! Nem precisa golear, tá?

O que Abel disse ontem após o jogo:

“Quem está dando a virada são os jogadores do Inter. Eu faço parte de uma engrenagem. Eu sempre aprendi na vida a não me entregar. A cair e levantar. Sem nenhum orgulho, orgulho eu tenho dos meus jogadores. Mas ninguém ganha tantos títulos por acaso. O que aconteceu hoje não vai se repetir em 20 anos. Nós soubemos sofrer, controlamos o São Paulo e chegamos à vitória. Muita coisa foi treinada. Isso dá uma grande satisfação. É aquele negócio: os jogadores estão acreditando no trabalho, naquilo que se faz. Nós nos colocamos no bolo, na confusão. A vitória não nos transforma em favoritos. Goleada assim não se repete. Não vamos ter ou sentir qualquer tipo de soberba. Uma coisa é certa, o time jogou muito com a cabeça. Todas as decisões foram assim. Não vou dizer que foi uma atuação de campeão, mas teve a sorte que o campeão sempre tem. Espero que continue”.

O Gre-Nal:

Vamos conversar muito porque o lado anímico em um clássico decide. O Grêmio entra com um retrospecto favorável (11 clássicos sem derrota) e isso dá vantagem. Temos de trabalhar este lado. Assisti a pelo menos seis ou sete dos últimos Gre-Nais. O que eu senti? Um Inter intranquilo diante de um adversário calmo. Então, não podemos deixar o adversário em uma zona de conforto. Você não ter tanta ansiedade, não pode ser afoito diante de um time como o do Grêmio“.

Marinho, Cruzeiro, Bolsonaro e o gerenciamento de crises

Marinho, Cruzeiro, Bolsonaro e o gerenciamento de crises

O Santos elimina o Boca Juniors da #Libertadores2020. Ao final da partida, seus jogadores cercam o diretor de futebol e, felizes, comemorando a vitória, pedem um pix. Eles se esforçaram muito no jogo, foram brilhantes. Os salários estão atrasados há dois meses.

Corta.

Após perderem para o último colocado Oeste, os jogadores do Cruzeiro saem irritados de campo. Jogaram mal, alguns foram displicentes. Vão ficar na Série B. E deram entrevistas falando mal do clube e dizendo que ninguém imagina o que é o ambiente onde têm que viver. Os salários estão atrasados há dois meses.

O prefeito Sebastião Melo compra 25 mil doses preventivas de cloroquina do governo federal. É o PMDB. Deve ser pagamento de um favor, algo assim.

Falta oxigênio em Manaus. Pacientes com Covid são mandados para outras cidades, que não querem recebê -los. Belém está agitada com a provável chegada de manauaras doentes.

E Bolsonaro, o palhaço idiota, o grosseiro e nojento pilantra cretino eleito democraticamente por milhões de ignaros? É tanta coisa que teria a dizer do genocida que nem sei por onde começar. Gerenciamento de crise…

Me faz um pix?

O segredo das vitórias consecutivas do Inter

O segredo das vitórias consecutivas do Inter

Vou contar um segredo pra vocês.

Sabem por que o Inter ganha? Por causa do Spica. Sim, eu mandei arrumar o velho rádio de pilha de meu pai — fabricado lá em 1965. Esse rádio sempre deu sorte e vocês imaginam a data na qual o Daniel Morales da Silveira me devolveu o rádio em perfeito funcionamento?

Pois é, no dia do jogo contra o Boca. Depois daquele dia, foram 6 jogos e 6 vitórias. Todas ouvidas no Spica.

Não é o Abelão. É ele.

Oito jogos aqui, oito acolá

Pep Guardiola diz que um campeonato como o Brasileiro, em 38 rodadas, perde-se nas oito primeiras e ganha-se nas oito últimas.

(E o Milton diz: Quem larga mal tem que parir uma bigorna depois para subir. Empiricamente, mas de forma convicta, sempre ri daqueles técnicos que dizem “ah, o campeonato está muito no início, vamos recuperar”. É muito raro alguém recuperar. Não recuperam. Ou estão no bolo desde o início ou não entram nele).

Bom dia, Abel (com os gols de Ceará 0 x 2 Inter)

Bom dia, Abel (com os gols de Ceará 0 x 2 Inter)
A barriga de Guto Ferreira supera em muito a de Abel Braga — é o Gluto Ferreira… | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

O Inter fez um primeiro tempo simplesmente podre, com Marcelo Lomba e Rodinei comprometendo inteiramente e o resto do time parecendo perdido em campo. Não chutamos a gol, só o Ceará jogava. o Vozão perdeu 4 gols feitos…

Abel, tu tiveste sorte. Lomba também. Imaginei que nosso goleiro perdeu uma bola ao tentar driblar o centroavante do Ceará… Olha, Lomba está com o prazo de validade estourado. Nunca foi um grande goleiro e agora está mal. Enquanto isso, Rodinei era envolvido sistematicamente pelo lado esquerdo do ataque adversário.

Depois, no segundo tempo, o time voltou mais organizado e acabou por obter uma importante vitória. Vitória dos meninos do time, não dos medalhões (aqui façamos justiça e Edenílson, que esteve bem durante toda a partida).

Agora temos Goiás e Fortaleza no Beira Rio, depois pegamos o São Paulo fora de casa. Temos tudo para encostar antes de chegarmos à capital paulista. Claro temos que combinar com os russos. Pelas lesões dos dois goleiros, Daniel deverá será o titular contra o Goiás. Pois é, parece que os deuses estão ajudando. Mas temos que ganhar em casa da turma de baixo.

O São Paulo é o líder com 56 pontos em 28 jogos (próximos 3 jogos: Santos (c), Athlético (f) e Inter (c)).

O Inter é o vice-líder com 50 pontos em 28 jogos (próximos jogos: Goiás (c), Fortaleza (c) e São Paulo (f)).

Mas…

Os seguidores tem um jogo a menos e estão bem perto. São eles:

O Atlético-MG com 49 pontos em 27 jogos (próximos jogos: Bragantino (f), Atlético-GO (c) e Grêmio (f)),

o Flamengo com 49 pontos em 27 jogos (próximos jogos: Ceará (c), Goiás (f) e Palmeiras (c)) e

o Grêmio com 48 pontos em 27 jogos (próximos jogos: Fortaleza (f), Palmeiras (f) e Atlético-MG (c)).

O jogo atrasado de Grêmio e Flamengo é justamente um Grêmio x Flamengo em Porto Alegre e o do Atlético-MG eu não sei qual é…

Abel ficará até o final do Covidão 2020

Abel ficará até o final do Covidão 2020

Muita gente está histérica com o Dia do Fico de Abel, com a manutenção de Abel até o fim do Brasileiro. Falam em traição à modernização do clube… Menos, né?

Eu achei uma boa solução. Dentro deste calendário insano, o melhor período de adaptação é o Gaúcho e a primeira fase da Libertadores, que não costuma ser difícil. O fundamental agora é chegar à Libertadores, claro.

É óbvio que deixar o Pedro Ernesto, o Guerrinha e o Baldasso felizes é horrível e prejudicial ao clube e a uma vida saudável. Mas depois é só efetivar o Miguel Angel Ramírez que eles voltam a ser nosso inimigos.

Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação Colorada, digam ao povo que fico.

A sinuca de bico em que se encontra o Inter

A sinuca de bico em que se encontra o Inter

Não, não há nenhuma desgraça em curso. O problema com que o novo presidente Alessandro Barcellos se depara antes da posse — que ocorrerá na próxima segunda-feira, 4 de janeiro de 2021 — é o fato de que, aparentemente, ele acertou com o técnico Miguel Angel Ramírez quando Abel estreava mal no Covidão 2020 e agora Abel está franca recuperação, tendo vencido seus 3 últimos jogos após um bom empate contra o Atlético-MG fora de casa.

Tirar Abel agora parece sacanagem, mas acho que não é. Ou os novos dirigentes têm convicção sobre o caminho que desejam para sua Comissão Técnica ou vão para a praia e deixem tudo como está.

A comparação entre as campanhas de Abel e Coudet não ajuda muito. Abel é inferior em tudo, mas não o suficiente. Temos que considerar que ele, Abel, foi o técnico Campeão Mundial pelo clube em 2006, mas que foi com ele que fomos eliminados na Libertadores e na Copa do Brasil de 2020.

Abaixo copio e atualizo um comparativo entre as campanhas de Coudet e Abel que encontrei por aí.

Coudet x Abel no Covidão 2020:

Eduardo Coudet:
20 jogos
36 pontos
10 vitórias
6 empates
4 derrotas
Aproveitamento de: 60%
Gols feitos: 32
Gols sofridos: 18
Saldo: 14

Abel Braga:
7 jogos
11 pontos
3 vitórias
2 empates
2 derrotas
Aproveitamento de: 52,3%
Gols feitos: 9
Gols sofridos: 8
Saldo: 1.

A coisa é muito parecida, mesmo que Abel tenha menor aproveitamento, menor média de gols feitos, maior média de gols sofridos e menor saldo. E há que considerar o fato de que há uma tendência de melhora, a ver pelos últimos jogos.

Bem, Barcellos foi eleito para resolver este tipo de problema. Boa sorte!

O melhor seria se Abel Braga ficasse no Inter até o final do Brasileirão, conforme propôs Barcellos.

Isso serviria para demonstrar o respeito pelo ídolo (real) que Abel é, mas que a ideia do Departamento de Futebol é a de um trabalho a longo prazo com o espanhol.

.oOo.

Eu prometi não escrever sobre os jogos do Inter enquanto Marcelo Medeiros fosse o presidente. Por isso, deixo de lado o Bahia 1 x 2 Inter de ontem à tarde.

Vai embora Rodrigo Caetano, depois de dois anos de trabalho, deixando como maior legado a destruição completa do trabalho feito pelo melhor treinador que esteve no Inter nos últimos 10 anos, única e exclusivamente por questões de ego e de má gerência.

Vai embora Marcelo Medeiros, depois de quatro anos de trabalho, deixando como maiores legados nenhum título conquistado — nem Gauchão! — e uma enorme dívida.

Vão embora Dale e Musto e nada pode ser mais antitético. É triste a saída do primeiro e é ótima a do segundo.

Espero que haja a tal Estratégia Anual, Barcellos…

Pelé x Maradona

Como jogadores de futebol, Pelé e Maradona são difíceis de comparar. Vi ambos ao vivo em campo. Não apenas eram muito diferentes, como preferiam jogar em posições distintas no ataque. Um é de uma geração, outro de outra e o futebol mudou muito entre os anos fim dos anos 50 e o início dos 70 — período de Pelé — e os anos 80 e 90 — período de Maradona. Como se não bastasse, Pelé gostava de ser medido pela quantidade de seus gols, Maradona nunca fez isso.

Uma coisa dá para dizer: há pouco ou nenhum sangue europeu em ambos.

Mais fácil de comparar são Messi e Cristiano Ronaldo. Hoje, um tem 33 e o outro 35 anos, jogaram na Espanha em times quase análogos e começaram a disputar quem fazia mais gols, quem dava mais assistências e quem ganhava mais títulos para seus times. Fica mais fácil de comparar.

São mais como os tenistas Djokovic e Nadal, que têm diferença de um ano e estão sempre disputando um contra o outro. Está 29 a 27 para o sérvio.

.oOo.

Ontem, vi um cara ficar visivelmente contrariado pelo nível de informação futebolística de uma mulher que falava sobre Maradona. Eu só ri.

Imagina só, inteligente e ainda falando de futebol como um homem!

Hoje, os 15 anos da patética Batalha dos Aflitos

Hoje, os 15 anos da patética Batalha dos Aflitos

Sou colorado, mas sei que neste 26 de novembro de 2020, comemora-se os 15 anos de um dos momentos mais sensacionais, nervosos e patéticos da história do futebol gaúcho. Revendo o jogo, acho que, antes de uma epopeia, foi um inconfundível jogo de Segunda Divisão em um estádio e com jogadores típicos da categoria. Não sei como o Grêmio chegou àquilo. Atualmente, é muito outro. Ver em ação Sandro Goiano, Nunes, Galatto, Escalona, Lipatín, Marcel, Domingos e outros menos votados é uma alegria indizível para qualquer colorado. E, bem, a verdade é que a grande vitória gremista passa muito mais pelo despreparo e ruindade do Náutico do que pela atuação do tricolor gaúcho.

O Grêmio precisava apenas do empate para voltar para a Série A, mas jogava muito mal no primeiro tempo. Lá pelo final desta etapa, Domingos cometeu um pênalti em Paulo Matos. O lateral Bruno Carvalho chutou no canto direito de Galatto, acertando o poste. Até hoje, o goleador Kuki recusa-se a falar no assunto, mas os jornais do dia seguinte disseram que o terceiro maior artilheiro da história do clube pernambucano amarelou e acabou não batendo o pênalti. Bateu o tal Bruno.

No segundo tempo, o time gaúcho voltou melhor. Aos 15 min, entrou o jovem Anderson, de 17 anos, que seria decisivo apenas no rumo da partida, pois o empate era suficiente. Aliás, não dá para explicar as escalações de Marcel e Ricardinho tendo Anderson no banco. Com o menino em campo, o Grêmio logo ganhou velocidade e contra-ataques, diminuindo um pouco a pressão do Náutico. Não obstante, o Náutico seguia perdendo gols, alguns com Kuki, que jogava bem.

Aos 30 min do segundo tempo, Escalona, o lastimável lateral esquerdo do Grêmio, tomou cartão vermelho e, logo depois, houve um pênalti não marcado contra o Grêmio, como pode ser visto aos 14`27 do vídeo abaixo. Para compensar, o árbitro Djalma Beltrami, logo depois, marcou outro numa bola que bateu no cotovelo de Nunes. Hoje, aquilo é pênalti; na época não seria, pois o toque não fora intencional. Os jogadores e a comissão técnica do Grêmio indignaram-se e começou uma confusão varzeana. Parecia o campo de futebol do Parque Saint-Hilaire. E é disso que o Grêmio se ufana nesta data. Todo mundo entrou em campo. Patrício, Nunes e Domingos foram expulsos e Odone ameaçou ir embora várias vezes. Estávamos na Segunda Divisão, não esqueçam.

Após 25 minutos de chinelagem, a torcida pedia Kuki, mas ele — ou o técnico, que diz que o artilheiro estava com as pernas pesadas — deixou a tarefa para o lateral-esquerdo Ademar. A cobrança foi no meio do gol e Galatto, que caía para o lado esquerdo, defendeu com a perna.

O Grêmio comemora e Kuki, deitado, desespera-se | Foto: gremio.net
Ademar (6) erra, o Grêmio comemora e Kuki (deitado) desespera-se | Foto: gremio.net

Na continuação do lance, o zagueiro Batata, do Náutico, cometeu falta violenta em Anderson e recebeu cartão vermelho. Na cobrança, Anderson aproveitou a perturbação do Náutico e fez o gol da vitória, que valeu também o título da Série B. Entre o erro de Ademar e o gol de Anderson, passaram-se 71 segundos. O conto diz que foram decisivos, mas repito: o empate bastava.

No momento do gol, eram 10 jogadores do Náutico contra 7 do Grêmio.

Tive a sorte de não ver tudo isso ao vivo. Estava viajando. Lembro apenas que calculei o horário do final da partida e entrei numa lan house romana, louco para confirmar que o Grêmio ficara pelo segundo ano consecutivo na Segundona. Mas o site do Terra estava estranho: dizia que eram 57 minutos do segundo tempo e estava 0 x 0. Devia estar errado. Um bug, com certeza. Fui fazer outra coisa. Quando retornei a Porto Alegre, tudo já era uma grande lenda.

Morreu Diego Maradona (1960-2020)

Morreu Diego Maradona (1960-2020)

“Sou o argentino que menos se parece com um argentino. Nasci em um bairro pobre, não sou de ascendência europeia e amo Pelé — mas nunca lhe digas isso”.
Diego Armando Maradona

Lembro daquelas manhãs de domingo nos anos 80 em que víamos o Napoli jogar com Maradona, Careca e Alemão em seu time. Lembro da narração de Sílvio Luís italianizando o nome de Careca para Careconi. Careconi e Maradona.

Depois, Maradona disse que o brasileiro fora seu melhor companheiro de ataque. Foi um justo reconhecimento.

Na época não havia ainda a cocaína — ou não se sabia ainda dela. Mas como jogava Maradona! Sua habilidade miraculosa com a perna esquerda e a notável intuição para atuar em espaços mínimos era algo inexplicável. E que lançamentos!

Sim, foi-se um ídolo meu. Quando Maradona estava em campo, todos os outros jogadores pareciam esforçados aprendizes. A bola se dirigia para ele com visível prazer.

Maradona sempre se expôs, nunca negou seus problemas e sempre disse, por exemplo, que não existiam ex-viciados. Como disse Galeano, foi o mais humano dos deuses.

RIP, Diego.

Maradona tiene que cargar con una cruz muy pesada en la espalda: llamarse Maradona. Es muy difícil ser Dios en este mundo, y más difícil comprobar que a los dioses no se les permite jubilarse, que deben seguir siendo dioses a toda costa. Y el de Maradona es un caso único, el deportista más famoso del mundo, a pesar de que hace años que ya no juega, esa necesidad de protagonismo derivada de la popularidad mundial que tiene. Quiero decir que es el más humano de los dioses, porque es como cualquiera de nosotros. Arrogante, mujeriego, débil… ¡Todos somos así! Estamos hechos de barro humano, así que la gente se reconoce en él por eso mismo. No es un dios que desde lo alto del cielo nos muestra su pureza y nos castiga. Entonces, lo menos que se parece a un dios virtuoso es la divinidad pagana que es Maradona. Eso explica su prestigio. Nos reconocemos en él por sus virtudes, pero también por sus defectos.

Se convirtió en una especie de Dios sucio, el más humano de los dioses, eso explica la veneración universal que él conquistó más que ningún otro jugador. Un Dios sucio, que se nos parece: mujeriego, parlanchín, borrachín, tragón, irresponsable, mentiroso, fanfarrón, pero los dioses por muy humanos que sean no se jubilan.

Eduardo Galeano

A homenagem do River Plate, o maior rival.

Via Whats, um amigo que não acompanha futebol me pergunta quem é este Marcelo Medeiros

Eu respondo:

Presidente do SC Internacional que sai agora em dezembro. Sua gestão foi de 4 anos de gestão e ele é o único — desde que acompanho futebol — que não ganhou nada, nem Gaúcho. Duplicou a dívida do clube que hoje está em 1 bilhão e é impagável. É óbvio que uma coisa dessas ameaça a sobrevivência do clube. Podemos virar um América do Rio ou uma Portuguesa de São Paulo. O grupo que representa ama tanto o poder que apoia duas chapas nas eleições: a de Spode e a de Aquino. Tudo para confundir. São ‘inimigos’.

É bolsonarista e porta-se como um reizinho. Chamou a BM pra atacar torcedores e perseguiu juridicamente torcedores de esquerda, para agradar a ala fascista da gestão e conselho. Um péssimo gestor, um leão contra a torcida colorada e um gatinho contra o rival.

Enquanto Marcelo Medeiros estiver presidente, eu não escrevo sobre futebol

Enquanto Marcelo Medeiros estiver presidente, eu não escrevo sobre futebol

Não tem tática e estratégia. Hoje era necessário jogadores experientes pela importância do jogo.
Braga, Abel

O Inter está melhorando, hoje já fez um gol.
Guerra Filho, Adroaldo.

Após ter fritado Eduardo Coudet, estava na cara que o MIG (Movimento Inter Grande) entraria em campo com as preferências de seu chefe, Fernando Carvalho. E seu factótum (*), Marcelo Medeiros, depois de ter feito a fritura, trouxe Abel.

Abel é um monumento do clube. Mas está desatualizado e a desgraça estava desenhada mesmo sem ele.

Tudo começou com a absurda saída do diretor de futebol Alessandro Barcellos. Mesmo candidato à presidência, deveria ter ficado. Homem que se relacionava bem com o técnico e os jogadores, sua saída perturbou o ambiente. E em futebol, ambiente é quase tudo. Uma vez quebrado, fica difícil de segurar. O nível cognitivo é muito baixo. Renato Portaluppi, por exemplo, não é um nenhum gênio, mas cuida do ambiente direitinho. Nosso ambiente se foi. A política tirou o diretor de futebol. O treinador foi fritado e explodiu. Os jogadores sentem-se à deriva.

O que havia balançado com a saída do Barcellos, foi derrubado com a fritura de Coudet. O torcedor já sabia que o boi já tinha ido com as cordas. Se nós, que somos simples torcedores, notamos a bagunça tática que o Abel proporcionou, imaginem o que está passando na cabeça dos jogadores. Sim, acabou a temporada. Vamos ver o time só cair até o final do ano. Mas a imprensa seguirá elogiando. Eles gostam de Carvalho, como vemos acima..

Não vi o Inter perder para o sub-20 do Santos e nem a eliminação de ontem. Só quero que o ano acabe e que Marcelo Medeiros e o MIG, representado pelos candidatos à presidência Spode e Aquino, sejam extirpados do clube.

Sigo pagando minha mensalidade de sócio só para votar e para não piorar a lambança que MM fez nas finanças, mas ninguém vai me obrigar a ver o Inter jogar hoje. Ontem, parei de ler a escalação em Rodinei. Fui ver quem estava no banco e lá estava Heitor!

Bah, isso me faz mal.

#ForaMIG #ForaMedeiros #ForaCaetano

(*) Indivíduo cuja função é ocupar-se de todos os afazeres de outrem.

Piffero e Marcelo Medeiros: dois factótuns do leque de Carvalho

A ascensão e a ascensão dos negociantes II

Parte II – A primeira ascensão dos negociantes

No dia seguinte à vitória na Libertadores, Tinga e Bolívar anunciaram suas saídas. Eu mal tinha dormido. Chegara em casa às 2 da manhã e, assim que pudera deitar minha campeã cabeça sobre o travesseiro, meu sobrinho começou a ligar perguntando sobre um ou outro endereço de gremistas amigos, pois estava inteiramente entregue à atividade de soltar rojões frente a suas casas. Porém, voltemos à nossa história, não sem antes dizer que, pela manhã, deixei a porta bater e fiquei lá fora, de pijama. Minha mulher já tinha saído e eu tive que pedir o celular de um passante a fim de ligar para minha sogra, suplicando-lhe que trouxesse a chave reserva. Fiquei no jardim da casa, lendo o jornal. Então, como vemos, o dia 17 de agosto de 2006 teve tantos sucessos quanto o dia anterior. Mais alguns dias e Rafael Sóbis e Jorge Wagner fizeram o mesmo que Tinga e Bolívar. Estava começando o desmonte, involuntário apenas no último caso.

Enquanto isso, a direção do clube, feliz com o título como todos nós, ia de festa em festa curtindo o ganho político e etílico da conquista. De forma ilógica, havia confiança de que os substitutos estavam dentro do Beira-rio. A torcida discordava e lembro de fortes críticas à diretoria no Fórum do extinto Portão 8. Isto acontecia antes do maior título do clube completar uma semana: o Inter ganhara a Libertadores e já anunciávamos – todos – o fim. E, pior, não estávamos paranoicos. É horrível quando somos obrigados a dar razão ao paranoico (como hoje temos que fazer diariamente com os DC’s, que atacaram Tite antes da letal assinatura de contrato).

As substituições aos vendidos, dentro de um time formado à base de contratações (como demonstramos na Parte I), não foram realizadas e apenas um deles tinha suplente à altura: Bolívar, que foi substituído com vantagem por Índio. A posição de Rafael Sóbis ficou em aberto, ou melhor, ficou com o imprevisível velhinho legal Iarley. Para a posição de Tinga, a torcida, o Fórum do Portão 8, os jornalistas e o mundo indicavam Guiñazu, do Libertad do Paraguai. Mas seu custo era de US$ 1 milhão, valor considerado alto para nossos padrões. Qual não foi nossa surpresa nossos negociantes adquirirem, por US$ 1,5 milhão, o obscuro Pinga, um meia-esquerda que atuara no Torino, Siena e Treviso, sempre na segunda divisão italiana e cujo maior mérito era o de ter deixado Kaká na reserva em uma das seleções sub-algo da CBF, fato que parece não ter traumatizado Kaká e sim Pinga, coitado. Ora, trocar Tinga por Pinga foi muito mais do que trocar uma consoante, foi uma tragédia. Mas outros diziam que seria Vargas, ex-volante do Boca Juniors, aquele que entraria no lugar de Tinga. Vargas era bom jogador, mas só era parecido com Tinga… Não, não o era em nada. Para piorar, o colombiano contou com a antipatia gratuita de Abel Braga, que chegou a criticá-lo publicamente sem ninguém entender o motivo… O câmbio mais ridículo foi o de Jorge Wagner por Hidalgo. Quando todos pensavam que estávamos no Paraguai buscando Guiñazu ou articulando a futura vitória de Lugo, estávamos trazendo o lateral-esquerdo do Libertad chamado Hidalgo. Ninguém que vira nossos jogos contra o time paraguaio dera-se conta de que ali estava um craque… Saía um lateral brilhante no apoio e entrava um que só sabia marcar e olhe lá. Ou seja, a direção, meramente para contentar a torcida, pegou qualquer jogador de segunda linha com a única intenção de silenciá-la. Éramos chatos incompreensivos que, uma semana após ganhar a Libertadores, reclamavam.

Enfim, em alguns dias perdemos metade do time, uma metade bem boa., diga-se. A participação no Brasileiro de 2006 já demonstrava claramente o equívoco. Sem Tinga e Jorge Wagner, ficamos com poucas opções de ataque. Dependíamos das subidas de Ceará, baseadas na força, dos lampejos de Fernandão e dos raros – mas quase sempre belos – gols de Iarley, o goleador legal. Aos poucos, a ausência de Jorge Wagner foi sendo suprida inesperadamente por Fabiano Eller, que vinha de trás com a bola, deixando o Hidalgo na cobertura e passando por cima dos volantes Edinho e Wellington Monteiro, ambos de passes medonhos. A coisa ainda funcionava precariamente e a participação num Campeonato Brasileiro de baixo nível técnico ainda foi razoável.

Chegamos ao Japão para disputar o Mundial sem um grande time, porém muito bem preparados, com grandes conhecimentos sobre o Barcelona. Com enorme disciplina tática e sorte, vencemos o Al Ahly e, com enorme disciplina tática e merecimento, ao Barcelona. Nova festa e mais motivos para imobilismo…

O notável na nova diretoria é que ela não dava sinais de ter visto decadência alguma no segundo semestre de 2006, vira apenas uma vitória e seguiu fazendo bobagens. Por pura desídia – preferiu tirar férias em vez de ir à Turquia -, deixou Fabiano Eller decidir seu destino sozinho junto ao clube que detinha seus direitos federativos. (Explico: os turcos têm uma milenar “cultura de negociação”, querem falar sentados e cara a cara até quando compramos um paninho qualquer, querem abraço e amizade ao final e ficam ofendidíssimos se não sentamos para negociar e tomar chá – sempre excelente – com eles. Se não tomamos chá, não vendem nada. Onde estava o Império Otomano num momento desses?) Igualmente, ignorou a importância do multi-campeão Paulo Paixão em nosso vestiário e deixou-o ir para Rússia. Da forma mais arrogante imaginável, confiou na capacidade de renovação do próprio clube – o qual, como mostramos na Parte I, não subsiste de suas divisões inferiores – e tivemos que ouvir, derrota após derrota, a falta de conhecimento futebolístico de nosso presidente pronunciar-se:

– Somos o Campeão do Mundo, não precisamos de reforços. Temos grupo.

Discurso que, semanas depois, foi mudado para:

– Não entendemos o motivo de nossas derrotas, 90% do time Campeão do Mundo está aí…

Qualquer um sabe que, a cada início de temporada, há que se fazer algumas mexidas motivadoras. Jogador de futebol é assim. Então, Vitório Píffero, é culpa sua se o Inter do começo de 2007 espantava-se com limitações intransponíveis – “limitações intransponíveis” significam um Grêmio pouco respeitador no Gauchão e uma cômica Libertadores. Faltava um Paulo Paixão para evitar as panelinhas que tanto atrapalham. Erraste também, Vitório, nisto: se a saída de Jorge Wagner foi compensada por Fabiano Eller, a saída deste não teve substituto, ou melhor, o plano era substituí-lo por Rafael Santos… Erraste, Píffero, ao deixar tua arrogância tornar-te surdo à torcida, que sempre pediu reforços. Erraste também ao não te livrar dos jogadores protegidos por Abel ou por empresários influentes no clube: poderias ter começado por Michel ou pelo recém valorizado Gabiru ou talvez por Clemer, merecedor desde aquela época de uma aposentadoria dourada… Erraste mais ainda ao deixar que ele trouxesse mais amigos como o ridículo Jean, que foi inscrito na Libertadores sem nunca ter jogado, como se fosse um craque indiscutível, desses que entram como uma luva em qualquer time…

E, para matar de vez com nossas pretensões, tornou-se finalmente claro um erro cometido desde a época de Fernando Carvalho: os contratos longos para qualquer perna-de-pau. O Inter sempre se orgulhou de não perder jogadores de graça para o exterior. Casos como o de Ronaldinho Gaúcho nunca aconteceram no Beira-Rio e isto era motivo de ufanismo. Só que a profilaxia foi exagerada. Na metade de 2007, o Inter mantinha 66 jogadores sob contrato. Todos recebiam bem e em dia. Só que a maioria destes jogadores jamais revelou-se apta para ser titular. Era um enorme grupo de come-dormes (ou seria comes-dormes ou comem-dormem?…) que, ao receberem propostas de Figueirense e Goiás, como aconteceu, não fecharam seus empréstimos porque ganhariam menos e ainda tinham quatro ou cinco anos de contrato com o grande Campeão do Mundo. Diego, Mossoró, Ramón, Gustavo, Leo, Chiquinho e outros (muitos outros) são exemplos de atletas que não passaram de promessas e que ficaram meses confortavelmente instalados e com salários em dia. É difícil negociar jogadores ruins, caros e com longos contratos a cumprir. Imaginem qual era o nível do Inter B se o Inter A mantinha Michel e Gabiru em suas fileiras! Não chega a ser surpreendente que só haja negócios para quem é visto em campo, atuando bem. Atualmente, nem os coreanos são trouxas. Houve muita confiança nos come-dormes… (ou o correto seria “naqueles que, exclusivamente, comiam e dormiam”?) Só que, como diz o Barão de Itararé, “de onde menos se espera, daí mesmo é que não sai nada”. Contratos longos é para quem joga muito e não para todo o Inter B, que hoje viaja pelo interior jogando a segunda divisão gaúcha a fim não ficar parado.

Quando chegamos a 16 de agosto de 2007, éramos um amontoado de lembranças.

Publicado em 11 de setembro de 2008 no Impedimento.

A ascensão e a ascensão dos negociantes I

Parte I – Ascensão

Desejo fazer um registro histórico do que aconteceu com o Internacional desde julho de 2004 até sua atual decadência. Minha intenção é tentar entender e explicar como o Inter chegou a Campeão da Libertadores – seu auge como time de futebol -, a Campeão Mundial – já em decadência técnica -, até chegar à situação superavitária e sem perspectivas futebolísticas de hoje, apenas vinte meses após sua maior conquista. Escolho a data de julho de 2004 para iniciar minha análise e, especificamente, o Gre-Nal do primeiro turno do Brasileiro daquele ano, pois foi ali que Fernandão estreou, marcando o Gol 1000 em Gre-Nais.

Até 2005, o Inter passou mais de quinze anos como o nono ou décimo time do país. Chegamos ao segundo lugar em 1997 e quase caímos para a segunda divisão em 1999 e em 2002, mas, em média, sempre ficávamos por detalhe fora dos oito classificados para as finais do Campeonato Brasileiro. Lembram que os gremistas diziam – com razão – que nadávamos, nadávamos e morríamos na praia? Foram muitos anos nesta situação de décimo time brasileiro. Tinha para mim que, apesar de nossa colocação do ranking da CBF, era torcedor de um time mediano. Hoje, não por coincidência, estamos na 11ª colocação.

Porém, naquele ano de 2004, o presidente Fernando Carvalho – maior criador e vilão desta história – iniciou uma pequena revolução. Tendo recebido em 2002 um clube com R$ 50 milhões em dívidas e sem jogadores, ele finalmente estava conseguindo manter os credores tranqüilos e começava a tomar atitudes anormais em uma instituição tão pacata como a nossa (e não por desejo da torcida!). Sem grande alarde, Fernando Carvalho seguiu vendendo nossas revelações jovens (Nilmar, Daniel Carvalho, etc), porém, do outro lado, principiou a montagem de uma equipe com jogadores de mais de 25 anos, com experiência na Europa e que, afinal, eram diferenciados ou, no mínimo, experientes.

A equipe que recebeu a contratação de Fernandão naquele Gre-Nal de julho de 2004 não era nada extraordinária: Clemer; Sangaletti, Wilson (Fernandão, int.) e Vinícius; Bolívar, Edinho, Marabá, Élder Granja e Alex; Rafael Sobis (Dauri, 43/2) e Danilo.

Os colorados sabem o quanto é curioso ver Bolívar na ala direita, Elder Granja no meio de campo e Alex na ala esquerda, mas era assim. Fernandão, fato hoje esquecido por muitos gaúchos, fracassara na Europa, rolando de um time francês para outro (Olimpique, Toulouse, Paris St. Germain…), mas chegou jogando demais em Porto Alegre. Seu segundo semestre de 2004 foi espetacular.

Mesmo assim, no Brasileiro de 2004, o Inter manteve sua característica de ficar lá pelo 8º e 10º lugares. Porém, ao final da temporada, quando foi desclassificado pelo Boca Juniors na Copa Sul-americana, o time-base já tinha uma cara mais reconhecível: Clemer; Wilson, Edinho e Sangaletti; Élder Granja, Marabá, Gavilán, Fernandão e Chiquinho; Rafael Sobis e Diego (Fernandão, lesionado, não jogou contra o Boca, mas era o titular; jogou Wellington).

O começo de 2005 foi o momento mais marcante para a formação do campeão da Libertadores do ano seguinte. Após complicadas negociações, trouxemos Jorge Wagner, Tinga e Índio. Seus perfis? Ora, os mesmos de Fernandão: Tinga, de 27 anos, voltava do Sporting de Lisboa onde era reserva; Jorge Wagner, também de 27 anos, fugia do gelado Lokomotiv de Moscou e Índio era o único não “europeu”, mas chegava aqui com 30 anos e com um invejável currículo no Juventude de Caxias. Naquele início daquele ano, o time mudava sua fotografia para melhor. Em maio daquele ano, vencemos – como costumávamos fazer – o Atlético-PR em Curitiba por 3 x 1 e o time já era este: Clemer; Élder Granja, Índio, Wilson e Jorge Wagner; Edinho, Gavilán, Tinga e Fernandão; Rafael Sóbis e Gustavo.

Na metade do ano, Fernando Carvalho seguiu em sua política e trouxe do México Iarley, também na faixa dos 30 anos e ex-jogador do Boca Juniors. Recebeu Perdigão e Ediglê que, se não são craques, chegaram aqui com 28 anos e muitos times da bagagem e Ricardinho, vindo do Paulista de Jundiaí, aos 29 anos. Todos experientes. Havia um projeto claro. Nossas contratações não eram de garotos, era de gente com rodagem, de jogadores que não se apavorariam com vaias ou ambientes hostis.

Observem pela escalação como a formação de nosso grande time veio não através de atletas formados no Beira-rio, mas por gente vinda de fora. Na partida em que Márcio Resende de Freitas nos roubou – e depois desculpou-se… – em São Paulo, contra o Corinthians, a formação de nossa equipe era a seguinte: Clemer; Élder Granja, Edinho, Ediglê e Alex; Gavilán, Perdigão (Márcio Mossoró), Tinga e Ricardinho (Wellington); Fernandão (Iarley) e Rafael Sobis. Jorge Wagner não jogou esta partida por estar punido.

Na virada do ano de 2005 para 2006, não precisávamos de quase nada. Era só impedir que o grupo se desfizesse. Perdemos apenas um jogador: Gavilán, para o Newell`s Old Boys de Rosário. Mesmo assim, contratamos um que mostrou-se fundamental – Fabiano Eller, 28 anos -, um que foi útil – Fabinho, 30 anos -, e o mais importante, Adriano Gabiru… Estava pronto o time.

Quando, no dia 16 de agosto de 2006, vencemos a Libertadores da América, a equipe era esta: Clemer; Índio, Bolívar e Fabiano Eller; Ceará, Edinho, Alex, Tinga e Jorge Wagner; Fernandão e Rafael Sóbis.

Ou seja, éramos uma equipe formada por

– Dois ex-juniores: Edinho e Sóbis;

– Sete jogadores muito bem pagos em razão de suas biografias, Clemer, Índio, Eller, Alex, Tinga, Jorge Wagner e Fernandão; e

– Dois jogadores baratos, “apostas” mesmo: Bolívar e Ceará.

Quais eram, então, os principais pontos da política de formação de grupo de Fernando Carvalho:

1. Contratações de jogadores experientes, baseadas em seu enorme conhecimento de mercado e de futebol.

2. Poucas contratações caras de jogadores jovens. E a maioria das que foram feitas não deram certo. Principais casos: Márcio Mossoró, Rentería e Leo. Apenas uma funcionou: Alex, contratado em 2003.

3. Contratos longos para lucrar na venda de jogadores. Tal política deu certo para os melhores jogadores, mas revelou-se catastrófica ao incluir um monte de “promessas” em contratos que durariam quatro ou cinco anos. Estamos pagando um monturo de ruindades até hoje. Por quê? Porque ninguém os quer, claro, e porque as multas rescisórias, que existem para beneficiar o clube, neste caso o prejudica. São contratos que serão cumpridos sem resultados até seu último dia.

4. Investimentos num Inter B e tentativas de formar jogadores no clube. Nada disso funcionou. Em média, formamos apenas um bom jogador por ano. 2004 foi o ano em que conhecemos Sóbis; 2005 foi o ano de não conhecer ninguém; em 2006 apareceu Renan como goleiro confiável; em 2007, os novos dirigentes passaram o papel de “grande estrela” a um menino de 17 anos e neste ano, novamente nada.

Ou seja, o Inter vencedor foi formado convencionalmente pela contratação jogadores bons e experientes que haviam fracassado na Europa ou que estavam em clubes menores e não através de suas divisões inferiores, cuja contribuição, ao menos recentemente, é uma espécie de mito. Quando paramos de contratar bem e seguimos vendendo, o time acabou, mesmo com um grupo de 66 profissionais que tínhamos em maio de 2007. Sim, sessenta e seis atletas contratados em maio de 2007.

Mas estou antecipando fatos. A decadência começou na gestão do próprio Fernando Carvalho, no dia 17 de agosto de 2006, um dia após a conquista da América. Faltavam 4 meses e meio para seu mandato acabar e, apesar de haver o Campeonato Mundial em dezembro, havia a necessidade de realizar lucros. Na semana que vem, veremos como pode ser rápida a destruição de uma grande equipe de futebol.

Publicado no Impedimento em 4 de setembro de 2008.

Boa tarde, Coudet (com os lances de Atlético-GO 1 x 2 Inter)

Boa tarde, Coudet (com os lances de Atlético-GO 1 x 2 Inter)

Atualmente, o Inter é um time bem treinado. O fato de ter deixado Galhardo em Porto Alegre e jogado com um time misto não atrapalhou a vitória de ontem à noite, pela primeira perna das oitavas da Copa do Brasil 2020. O time foi misto, em vista do jogo do próximo sábado contra o Corinthians em São Paulo, às 19h. Pior, desde o início o time teve Pottker, mas mandamos no jogo até fazermos 1 x 0 em cabeçada de Leandro Fernandéz após cruzamento de Marcos Guilherme.

Gol de Leandro Fernández | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Aí deixamos o adversário jogar, mas sem corrermos muitos riscos. Como no começo do segundo tempo a coisa complicou, Coudet botou alguns titulares, como Patrick e Edenilson. E Moisés, em bela tabela com Fernández, fez 2 x 0. Perdemos alguns gols — um com Pottker após lindo passe de Fernández, o nome do jogo –, só que um pênalti no fim acabou permitindo o 2 x 1.

No final, Coudet voltou a falar que precisa de reforços. E que no hay plata. Há que ser criativo, coisa que não parece ser a especialidade do presidente Marcelo Medeiros, ainda mais em final de mandato. Aliás, adiante devo falar um pouco sobre as eleições que ocorrerão em novembro e sobre a necessidade de retirar a Confraria do MIG (Movimento Inter Grande) do clube. São 20 anos e só os primeiros foram bons.

Por enquanto, sou Chapa 5 com Alessandro Barcellos para presidente.

Boa tarde, Coudet (com os gols de Inter 2 x 2 Flamengo)

Boa tarde, Coudet (com os gols de Inter 2 x 2 Flamengo)

Paulo Cobos escreveu:

Escrevo esse texto minutos depois de Internacional e Flamengo fazerem o jogo do ano. E faço isso sem olhar as estatísticas. Não importa posse de bola, finalizações, etc. Elas podem até traduzir o que aconteceu no Beira Rio (ou não).

Mas o que importa é a aula de futebol que dois técnicos estrangeiros deram para seus colegas brasileiros.

Aleluia! Marcos Guilherme jogou bem! | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

O VT do empate de 2 a 2 deveria ser aula obrigatória para todos os treinadores nacionais. Se pelo menos um terço de todos os jogos realizados no Brasil fossem como este muito mais gente gostaria de futebol.

E não é por que foi um jogo em que todo mundo atacou. Coudet, com um elenco muito mais modesto, mostrou que é muito mais completo que Jorge Sampaoli. Seu Internacional sabe atacar, e defender (nesse ponto o Atlético-MG é bem fraco).

O espanhol Domènec Torrent mostrou de novo que tem personalidade. Não faz mal que ele herdou a máquina mais azeitada do futebol brasileiro. Seu Flamengo promete ser tão bom quanto o de Jorge Jesus.

Que sonho se todo domingo de futebol brasileiro fosse assim.

.oOo.

Pois é. E a gente reclama das entradas de Pottker, Musto e Moisés… E talvez tenhamos razão, pois são umas nabas. Só que Rodrigo Caetano afirmou ontem, com ar de defunto, que é quase certo que o Inter atrasará os salários de outubro. Nas trocas, tínhamos que colocar Johnny, Leo Borges, Praxedes, Nonato, Peglow… Nunca os coitados que entraram ontem. E mais, hoje não era jogo para D’Alessandro entrar. A partida necessitava de força e nosso velhinho não conseguiu acompanhar.

Bem, quanto mais leio críticas a jogadores do Inter mais valorizo o trabalho de Coudet. Quase no final do 1º turno (18 jogos), ainda somos líderes.

Foi um mesmo um jogão. O time titular do Inter realmente sabe o que faz, mas quando entram os reservas escolhidos por Coudet parece o fim do mundo. Jogamos bem e deveríamos contratar, mas não há como. Os jogos da semana são fora de casa e viáveis de vencer. Resta saber como reduzir os danos de tantos jogos com um grupo tão reduzido.

Importante dizer que — além das habituais boas atuações dos conformados — Heitor, Abel e Marcos Guilherme jogaram muito bem, com destaque para o primeiro.

Sempre às 19h e fora de casa, pegaremos o Atlético-GO e o Corinthians — nunca esqueçamos dos árbitros que amam o Coringão — na quarta e sábado. É semana de jogar fora e de ver como Coudet irá usar o pequeno grupo do qual dispõe. Mas o homem é um baita técnico.

Fizemos um grande primeiro tempo. Eles tiveram melhor a bola no segundo. Muitas situações pelos dois lados. Com um rival desta hierarquia, necessitava concretizar as chances. É um rival com muito talento, é um timaço. Tivemos que mudar à medida do jogo. Trocamos a estratégia. Repito: não temos a sorte de contar com jogadores das mesmas características de quem inicia. Sabemos nossas limitações, mas que podemos dar um pouco mais. Temos feito um grande torneio. Não é fácil somar 35 pontos. É difícil falar agora. Estamos com a dor de escapar dois pontos no final, mas reconhecer que o Flamengo tem um grande time, com jogadores de muita qualidade. Quando troca, segue entrando jogadores muito bons. Os dois queriam os três pontos“.

Eduardo Coudet

Boa tarde, Coudet (com os lances de La U 2 x 1 Inter)

Boa tarde, Coudet (com os lances de La U 2 x 1 Inter)

Após uma classificação sem brilho, jogando fora bisonhamente a possibilidade de um primeiro lugar e com os entregadores Musto e Cuesta mexendo no placar contra nós, pegamos o Boca Juniors nas oitavas. O sorteio foi horrível para nós e muito bom para o Grêmio. Nossa única chance de chegar às quartas-de-final era o sorteio nos brindar com o Nacional de Montevideo, o equatoriano Delfim ou o Guaraní do Paraguai nas oitavas. Veio o Boca, com o segundo jogo em La Bombonera. O Guaraní foi para o Grêmio. Parabéns, Inter. Parabéns, Coudet. Deu tudo errado.

Musto preparando um contra-ataque, contra nós, certamente | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Ou seja, entrar com Pottker e Musto custou-nos muito caro. Caríssimo. E com isso falo sobre valores financeiros e de continuidade na Covidadores 2020. Se tivéssemos ganho o jogo de ontem, estaríamos no confortável lugar do Grêmio. Mas o Inter é assim mesmo: administra suas coisas burramente e mereceu a derrota de ontem para a fraca La U.

Desta forma, vamos sair logo da Covidadores. Espero que possamos dar uma atenção decente ao Covidão 2020 e a Copa do Brasil. E que Pottker vá para o Cruzeiro. Felipão gosta, nós não.